Nervos cranianos: os doze pares de nervos!

Nervos cranianos: os doze pares de nervos!

Quer saber tudo sobre os doze pares de nervos cranianos, suas localizações e funções? Veja o artigo que o Estratégia MED preparou especialmente para você!

Os doze pares de nervos cranianos

Os pares de nervos cranianos são aqueles que partem do encéfalo, sendo que o núcleo de dez deles está no tronco encefálico, ao passo que apenas dois, olfatório e óptico, se ligam ao telencéfalo e ao diencéfalo, respectivamente. 

Par de nervos cranianosOrigem aparente no encéfalo
I – olfatórioBulbo olfatório
II – ópticoQuiasma óptico
III – oculomotorSulco medial do pedúnculo cerebral
IV – troclearVéu medial superior
V – trigêmeoEntre a ponte e o pedúnculo cerebelar médio
VI – abducenteSulco bulbo-pontino
VII – facialSulco bulbo-pontino (lateralmente ao VI)
VIII – vestibulococlearSulco bulbo-pontino (lateralmente ao VII)
IX – glossofaríngeoSulco lateral posterior do bulbo
X – vagoSulco lateral posterior do bulbo (caudalmente ao IX)
XI – acessórioSulco lateral posterior do bulbo
XII – hipoglossoSulco lateral anterior do bulbo

I – Nervo olfatório

Esse par de nervos cranianos é composto por numerosos pequenos feixes que se originam na região olfatória das fossas nasais, penetram a lâmina cribriforme do osso etmoide e terminam no bulbo olfatório. Sua função é exclusivamente sensitiva, sendo classificado como nervo de fibras aferentes.

II – Nervo óptico

Um grosso feixe de fibras, que se originam na retina, dão origem a esse par de nervos cranianos, que emergem através do polo posterior dos olhos e adentram o crânio pelo canal óptico. 

Cada nervo óptico une-se com o oposto, formando o quiasma óptico, local onde há cruzamento parcial de suas fibras. Também é um nervo exclusivamente sensitivo, formado apenas por fibras eferentes.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Nervos cranianos da motricidade ocular

Os pares de nervos cranianos responsáveis pela motricidade ocular são o III – oculomotor, IV – troclear e VI – abducente. Todos eles penetram na órbita ocular pela fissura orbital superior e inervam a musculatura extrínseca do olho.

O nervo oculomotor inerva os seguintes músculos: elevador da pálpebra superior, retor superior, reto inferior, reto medial e oblíquo inferior. O músculo reto lateral é inervado pelo abducente, ao passo que o oblíquo superior pelo troclear

V – Nervo trigêmeo

O nervo trigêmeo é um nervo misto, cuja função sensitiva é maior que a motora. As fibras sensitivas se ramificam em três divisões: nervo oftálmico, nervo maxilar e nervo mandibular, responsáveis pela sensibilidade somática de grande parte da cabeça.

Já a raiz motora desse nervo craniano acompanha o nervo mandibular e inerva os músculos mastigadores – temporal, masseter, pterigoideo lateral, pterigoideo medial, milo-hioideo, e ventre anterior do digástrico.  

VII – Nervo facial

Esse par de nervos cranianos é formado por uma raiz motora, o nervo facial propriamente dito, e uma raiz sensitiva e visceral, o nervo intermédio. O nervo facial se divide em cinco ramos: o nervo temporal, o nervo zigomático, o nervo bucal,  o nervo marginal da mandíbula e o nervo cervical

Tem grande importância para a musculatura da mímica facial. Suas fibras sensitivas controlam a sensibilidade auricular e a gustação nos dois terços anteriores da língua. Fibras autonômicas comandam as glândulas salivares e lacrimais.

VIII – Nervo vestibulococlear

Trata-se de um nervo exclusivamente sensitivo. Possui uma parte vestibular e uma parte coclear. A primeira é formada por fibras que se originam do gânglio vestibular e conduzem impulsos nervosos acerca do equilíbrio. A segunda parte desse nervo se origina de fibras do gânglio espiral, que trazem impulsos nervosos da audição, com origem no órgão espiral, situado na cóclea. 

IX – Nervo glossofaríngeo

Esse par de nervos cranianos é misto e ramifica-se na raiz da língua e na faringe. É responsável pela sensibilidade da faringe, úvula, tonsila, tuba auditiva, seio e corpo carotídeo, além do terço posterior da língua. Fibras parassimpáticas inervam a glândula parótida.

X – Nervo vago

É o maior dos nervos cranianos, tem fibras mistas e sua função é principalmente visceral. Tem fibras aferentes viscerais que inervam a faringe, laringe, traqueia, vísceras torácicas e abdominais, fibras eferentes viscerais que fazem a inervação parassimpática das vísceras abdominais e torácicas.

XI – Nervo acessório

É formado por duas raízes, uma craniana e outra espinhal. As fibras da raiz craniana se juntam ao vago e inervam os músculos da laringe, pelo nervo laríngeo recorrente e as vísceras torácicas. Já as fibras do ramo espinhal inerva os músculos trapézio e esternocleidomastoideo

XII – Nervo hipoglosso 

Trata-se de um nervo essencialmente motor que emerge do sulco lateral anterior do bulbo e  inerva os músculos intrínsecos e extrínsecos da língua

Gostou do conteúdo que trouxemos para você? O Estratégia MED é seu melhor aliado na preparação para as provas de residência médica mais concorridas de todo o Brasil. Com videoaulas e materiais atualizados e milhares de questões resolvidas, você pode estudar como e quando achar melhor! Clique no banner abaixo para saber mais!

Coruja VIP

Veja também:

Referências bibliográficas:

  • Neuroanatomia funcional / Angelo B.M. Machado, Lucia Machado Haertel ; prefácio Gilberto Belisário Campos. – 3ª ed. – São Paulo : Editora Atheneu, 2014.
Você pode gostar também