Caso clínico de Gasometria Arterial: valores, interpretação e mais!

Caso clínico de Gasometria Arterial: valores, interpretação e mais!

Olá, meu Doutor e minha Doutora! A gasometria arterial é um exame laboratorial que analisa os gases presentes no sangue arterial para avaliar o equilíbrio ácido-base e a oxigenação do organismo. Acompanhe comigo o seguinte caso clínico no qual a gasometria arterial foi solicitada, proporcionando insights valiosos sobre o estado de saúde da paciente. 

Apresentação do Caso Clínico

Maria, uma mulher de 30 anos com diabetes mellitus tipo 1 há 10 anos, procura atendimento médico devido a sintomas agudos, incluindo sede intensa, poliúria, fadiga, dor abdominal, vômitos e confusão mental. O quadro evoluiu rapidamente nos últimos dois dias, exacerbando-se em meio a uma aderência irregular à medicação antidiabética e episódios recentes de infecção do trato respiratório superior.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Identificação do Paciente

Nome: Maria Ângela

Idade: 30 anos 

Diagnóstico Prévio: Diabetes Mellitus Tipo 1 (há 10 anos)

Queixa Principal (QP)

Sintomas agudos, incluindo sede intensa, poliúria, fadiga, dor abdominal, vômitos e confusão mental.

Histórico da Moléstia Atual (HMA) 

Progressão rápida dos sintomas nos últimos dois dias, aderência irregular à medicação antidiabética e episódios recentes de infecção do trato respiratório superior.

História Familiar (HF) 

Maria relata que seu pai foi diagnosticado com diabetes tipo 2 na meia-idade, enquanto sua mãe desenvolveu hipertensão arterial sistêmica (HAS) em idade semelhante. Ambos os pais são obesos e, apesar de terem feito ajustes no estilo de vida após os diagnósticos, continuam a enfrentar desafios no controle de suas condições de saúde.

História Social (HS)

Maria é residente na área urbana, trabalhando como professora em uma escola local. Seu ambiente de trabalho é conhecido por ser dinâmico e demandante, frequentemente sujeito a estresse adicional durante períodos de avaliações e planejamento de aulas. A recente demanda profissional intensificada e os compromissos sociais podem ter impactado sua rotina de autocuidado.

Hipóteses diagnósticas

As principais hipóteses diagnósticas incluem: 

  • Cetoacidose Diabética (CAD); 
  • Estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH); e
  • Infecção do Trato Urinário (ITU)

Banner CTA EMED

Exame Físico

Sinais Vitais

Avaliação neurológica: Leve desorientação temporal e espacial.

Avaliação respiratória: respiração profunda e rápida, ausculta pulmonar revela murmúrios vesiculares normais, sem crepitações, presença de hálito cetônico.

Avaliação cardiovascular: ritmo regular, bulhas cardíacas normofonéticas, sem sopros audíveis, pulsos periféricos palpáveis e simétricos.

Avaliação abdominal: abdome plano, sem evidência de lesões de pele ou cicatrizes visíveis. Os ruídos hidroaéreos (RHA) estavam presentes e normais nos quatro quadrantes do abdome. O espaço de Traube estava livre de anormalidades.

Exames Laboratoriais

Hemograma Completo

Gasometria Arterial

Eletrólitos Séricos

Exame de Urina

Diagnóstico

Maria recebeu o diagnóstico de cetoacidose diabética (CAD) com base nos resultados da gasometria arterial e de outros exames. Os indicadores-chave incluem acidose metabólica (pH baixo), baixos níveis de bicarbonato (HCO3), Anion Gap aumentado e presença de cetonas (cetonúria), indicando uma descompensação grave do diabetes mellitus.

Tratamento 

O tratamento imediato de Maria envolverá a administração intravenosa de insulina regular para normalizar a glicose e interromper a produção de corpos cetônicos. Fluidos intravenosos serão administrados para corrigir desidratação, melhorar a perfusão tecidual e corrigir distúrbios eletrolíticos. O monitoramento contínuo de sinais vitais, glicose, eletrólitos e gasometria arterial será crucial para avaliar a resposta ao tratamento.

Definição de Gasometria Arterial

A gasometria arterial é um exame médico que analisa os gases presentes no sangue arterial para avaliar o equilíbrio ácido-base e a oxigenação do organismo. O procedimento envolve a coleta de uma amostra de sangue arterial, geralmente obtida a partir da artéria radial no pulso.

Parâmetros da Gasometria Arterial 

 Os principais parâmetros analisados na gasometria arterial incluem:

  • pH (potencial de hidrogênio): Indica se o sangue é ácido, básico ou neutro. O pH normal do sangue arterial humano está em torno de 7,35 a 7,45. 
  • Pressão parcial de oxigênio (PaO2): Reflete a quantidade de oxigênio dissolvida no sangue. Valores normais variam geralmente de 75 a 100 mmHg. 
  • Pressão parcial de dióxido de carbono (PaCO2): Indica a quantidade de dióxido de carbono dissolvida no sangue. Valores normais situam-se entre 35 a 45 mmHg. 
  • Bicarbonato (HCO3-): Representa a quantidade de íons bicarbonato no sangue, influenciando o equilíbrio ácido-base. A faixa normal é de 22 a 26 mEq/L.

Tipos de Distúrbios Ácido-Básicos

Os distúrbios podem ser divididos, classicamente, em três tipos: 

  • Primários: são aqueles cujo surgimento leva à alteração inicial do pH; 
  • Secundários: são as alterações no bicarbonato ou na pCO2 secundárias à resposta compensatória; surgem como tentativa de atenuar as variações do pH; e
  • Mistos: ocorrem quando existe uma associação de distúrbios primários.

Quanto à sua natureza, há duas possibilidades: 

  • Respiratórios: o evento primordial dos distúrbios respiratórios é a alteração nos níveis de pCO2 (ventilação alveolar); e
  • Metabólicos: têm as alterações nos níveis séricos de bicarbonato como responsáveis pelo seu surgimento

E, por fim, existem quatro possibilidades principais de distúrbios:

  1. Acidose metabólica;
  1. Acidose respiratória; 
  1. Alcalose metabólica; e 
  1. Alcalose respiratória.

Questões para orientar o caso clínico de Gasometria Arterial

  1. O Anion Gap elevado é um achado significativo. Quais são as principais causas de um Anion Gap aumentado e como isso influência o tratamento? 
  1. Quais são os mecanismos compensatórios do organismo para a acidose metabólica, conforme indicado pelos valores da gasometria? 
  1. Como a gasometria pode ser utilizada para monitorar a resposta ao tratamento ao longo do tempo? 
  1. Quais complicações potenciais podem surgir devido à acidose metabólica grave, e como elas podem ser prevenidas ou gerenciadas? 
  1. Como os resultados da gasometria arterial podem influenciar o plano de cuidados e a abordagem terapêutica global para Maria?

Respostas

  1. O anion gap elevado sugere a presença de substâncias ácidas não mensuradas, como cetonas. O tratamento focará na reversão da acidose e na correção das causas subjacentes, como insuficiência insulínica. 
  1. A hiperventilação (redução da PCO2) é um mecanismo compensatório para eliminar o excesso de ácido carbônico e tentar normalizar o pH sanguíneo. 
  1. A gasometria arterial será monitorada para avaliar a normalização do pH e a correção da acidose. A resposta ao tratamento será indicada por melhorias nos valores da gasometria. 
  1. Complicações potenciais incluem edema cerebral, distúrbios eletrolíticos, insuficiência renal, entre outras. A monitorização cuidadosa e a intervenção precoce são essenciais para prevenir complicações. 
  1. Os resultados da gasometria orientam a intensidade do tratamento e a monitorização contínua, impactando diretamente os cuidados imediatos e o plano terapêutico global para Maria. A correção da acidose é prioritária para melhorar o prognóstico.

Questão de prova sobre Gasometria Arterial

(H. Geral Tarquinio Lopes Filho – 2013) Qual o valor esperado de PaCO2 num paciente com ACIDOSE METABÓLICA que apresenta HCO3 – de 10 mEq/L? 

A) Entre 15 – 20; 

B) Entre 20 – 25; 

C) Entre 25 – 30; 

D) Maior que 30; 

E) Menor que 15

Comentário da equipe EMED: Estrategista, a fórmula da compensação respiratória da acidose metabólica é a mais cobrada entre os distúrbios ácido-básicos. Sugiro que você a memorize! Vamos relembrar? pCO2 esperada = [(1,5 x HCO3 -) + 8] ± 2 mmHg Nesse caso, temos 23 ± 2, ou seja, entre 21 e 25 mmHg. A melhor resposta está na alternativa B!

Banner CTA EMED

Referências

  1. Arthur C Theodore. Arterial blood gases. UpToDate, 2023. Disponível em: UpToDate
  1. Irl B Hirsch & Michael Emmett. Diabetic ketoacidosis and hyperosmolar hyperglycemic state in adults: Clinical features, evaluation, and diagnosis. UpToDate, 2022. Disponível em: UpToDate
  2. Imagem em Destaque: Pexels
Você pode gostar também