Resumo de hiperemia conjuntival: diagnóstico, tratamento e mais!

Resumo de hiperemia conjuntival: diagnóstico, tratamento e mais!

A hiperemia conjuntival é a principal queixa ocular não refrativa em nível ambulatorial. Por este motivo, confira agora alguns pontos importantes que vocês precisam saber para manejar corretamente esta condição oftalmológica. 

Dicas do Estratégia para provas

Seu tempo é precioso e sabemos disso. Se for muito escasso neste momento, veja abaixo os principais tópicos referentes à hiperemia conjuntival.

  • Causas não infecciosas incluem alergias e síndrome do olho seco. 
  • A principal causa infecciosa tem etiologia viral. A conjuntivite bacteriana é mais comum em crianças.
  • O padrão do prurido, secreção e sintomas associados ajudam a diferenciar as causas. 
  • O médico generalista deve ficar atento a sinais de alarme para causas mais graves, como glaucoma de ângulo fechado, ceratite e hipópío. 
  • Na presença de sinais de alarme, como déficit visual, fotofobia persistente, impossibilidade de abrir o olho, deve-se encaminhar com urgência para o oftalmologista. 

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Definição da doença

A hiperemia ocular é caracterizada por vermelhidão ao redor da conjuntiva, que pode ser uni ou bilateral, e é uma queixa comum na prática ambulatorial. 

A conjuntiva é a membrana mucosa que reveste a superfície interna das pálpebras e cobre a superfície do globo ocular até o limbo (junção da esclera e da córnea).  Consiste em duas partes contínuas, uma na superfície interna da pálpebra (a conjuntiva tarsal) e a outra sobre a esclera (a conjuntiva bulbar).

A irrigação da conjuntiva consiste em arcadas tarsais marginais e periféricas, sistemas ciliares anterior e profundo, enquanto a drenagem venosa consiste em uma ou mais veias correspondentes às suas respectivas artérias.

Crédito: Uptodate
O suprimento arterial (vermelho) e a drenagem venosa (azul) do tecido conjuntival. Crédito: Singh RB, 2021. doi: 10.1016/j.jtos.2021.05.003.
Hiperemia conjuntival de etiologia viral. Crédito: Uptodate.

Epidemiologia

A real prevalência de hiperemia conjuntival não é conhecida, mas as queixas oculares são responsáveis ​​por aproximadamente 2 a 3% das visitas de pacientes a médicos em caráter de urgência, das quais a maioria é para o tratamento de hiperemia conjuntival. É também a principal queixa ocular não refrativa em consultas com oftalmologista. 

Patogênese e etiologia da hiperemia conjuntival

Existem diversas etiologias, infecciosas e não infecciosas, que induzem uma resposta vasodilatadora patológica da microvasculatura no tecido conjuntival. O processo inflamatório no tecido conjuntival é mediado por moléculas fisiologicamente ativas como histamina, citocinas e neuropeptídeos associados. 

Causas não infecciosas

Das causas não infecciosas a conjuntivite alérgica é uma das principais causas de hiperemia conjuntival aguda, sendo a forma mais observada a conjuntivite alérgica sazonal e perene, representando aproximadamente 50% das doenças alérgicas oculares. Apresenta-se tipicamente como vermelhidão bilateral e corrimento aquoso, mas o prurido é o sintoma mais incômodo, distinguindo-a de uma etiologia viral. 

Por outro lado, a doença do olho seco, uma condição não infecciosa que apresenta diminuição da qualidade da lágrima, instabilidade do filme lacrimal, hiperosmolaridade e inflamação e dano da superfície ocular, está associada à hiperemia conjuntival crônica.

Outra causa relativamente comum é utilização de medicamentos oculares, sendo o efeito adverso mais comumente relatado em até 50% dos pacientes que recebem prescrição de colírios para reduzir a pressão intraocular baseados em análogos de prostaglandina para o tratamento do glaucoma. 

Causas infecciosas

A maioria das conjuntivites infecciosas é provavelmente viral, tipicamente causada por adenovírus, com muitos sorotipos implicados. A conjuntivite viral geralmente se apresenta como hiperemia conjuntival com secreção aquosa ou mucoserosa e prurido, tipicamente descrito como sensação de queimação, areia ou areia em um olho.

#Ponto importante: A conjuntivite pode fazer parte de um pródromo viral seguido de adenopatia, febre, faringite e infecção do trato respiratório superior, ou a infecção ocular pode ser a única manifestação da doença. 

A conjuntivite bacteriana é mais comum em crianças do que em adultos. A conjuntivite bacteriana é comumente causada por Staphylococcus aureus, em adultos, e Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis são mais comuns em crianças. 

Pacientes com conjuntivite bacteriana geralmente se queixam de vermelhidão e secreção em um olho, embora também possa ser bilateral. A secreção difere da conjuntivite viral ou alérgica, que é principalmente aquosa durante o dia, com um componente escasso e fibroso que é muco em vez de pus.  

Avaliação da hiperemia ocular

O diagnóstico da causa geralmente é feito a partir da anamnese e exame físico. A avaliação adicional ou encaminhamento urgente a um oftalmologista deve ser feita na suspeita de causas mais graves, como glaucoma de ângulo fechado, hifema, hipópío, irite, ceratite infecciosa e esclerite. 

A presença dos seguintes sinais de alarme para causas emergentes incluem: 

  • Redução da acuidade visual ou outro déficit visual
  • Fotofobia persistente
  • Sensação de corpo estranho grave que impede o paciente de manter o olho aberto
  • Opacidade da córnea 
  • Pupila fixa
  • Forte dor de cabeça com náuseas
  • Quando o padrão de vermelhidão mais pronunciada em um anel no limbo, ou seja, na zona de transição entre a córnea e a esclera. Isso é preocupante para ceratite infecciosa, irite e glaucoma de ângulo fechado.

Manejo da hiperemia conjuntival

Quando não houver sinais de alarme, os pacientes podem ser manejados na atenção primária. 

O tratamento de conjuntivite alérgica é realizado com medicamentos tópicos sintomáticos, como nafazolina-feniramina, cetotifeno, olopatadina e outros. Não há agentes antivirais tópicos ou sistêmicos específicos para o tratamento da conjuntivite viral e as mesmas medicações para alívio sintomático na conjuntivite alérgica podem ser utilizadas. 

As conjuntivites bacterianas também são condições autolimitadas na maioria das vezes, mas o uso de antibióticos tópicos podem encurtar o curso clínico se administrados antes do dia 6 e, por este motivo, são geralmente utilizados em pacientes que necessitam retornar para as atividades laborais. 

As opções de antibióticos oculares preferidos incluem pomada oftálmica de eritromicina ou gotas de trimetoprim-polimixina B, aplicados quatro vezes ao dia por cinco a sete dias no olho afetado. 

A maioria dos pacientes com síndrome do olho seco necessitam utilizar lubrificantes tópicos e, nos casos graves, podem necessitar de uma frequência de uso superior a seis vezes ao dia. 

Pacientes com conjuntivite bacteriana apresentam melhora após 2 dias, enquanto as etiologias virais e alérgicas geralmente melhoram em duas semanas.

#Ponto importante: Pacientes que não respondem a terapia inicial devem ser encaminhados a um oftalmologista. 

Curso Extensivo Residência Médica

Veja também:

Referências bibliográficas:

  • DS Jacob. Conjunctivitis. Disponível em Uptodate
  • JZV da Silva, LR Carvalho. Diagnóstico diferencial de olho vermelho.| bvs.
  • Singh RB, Liu L, Anchouche S, Yung A, Mittal SK, Blanco T, Dohlman TH, Yin J, Dana R. Ocular redness – I: Etiology, pathogenesis, and assessment of conjunctival hyperemia. Ocul Surf. 2021 Jul;21:134-144. doi: 10.1016/j.jtos.2021.05.003.
  • Crédito da imagem em destaque: Pexels
Você pode gostar também
Adenomiose
Leia mais

Adenomiose: tudo sobre!

Quer descobrir tudo sobre a adenomiose? O Estratégia MED separou para você as principais informações sobre o assunto.…