Resumo de otite média aguda: diagnóstico, tratamento e mais!

Resumo de otite média aguda: diagnóstico, tratamento e mais!

A otite média aguda é uma das infecções mais comuns nas crianças. Por este motivo, confira agora os principais aspectos referentes esta condição clínica, que aparecem nos atendimentos e como são cobrados nas provas de residência médica!

Dicas do Estratégia para provas

Seu tempo é precioso e sabemos disso. Se for muito escasso neste momento, veja abaixo os principais tópicos referentes à otite média aguda.

  • É principalmente uma infecção da infância, mais comum entre 6 e 24 meses
  • Otalgia súbita após estado gripal é a principal forma de apresentação
  • As diretrizes atuais orientam observar de 48 a 72 horas antes de iniciar antibioticoterapia
  • Casos selecionados necessitam de antibiótico, como presença sintomas graves e acometimento bilateral em crianças entre 06 e 24 meses
  • Amoxicilina é o antibiótico de primeira escolha 

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Definição da doença

A otite média aguda (OMA) é definida como uma inflamação da orelha média, caracterizada pelo abaulamento moderado a grave da membrana timpânica associado a sinais flogísticos. É principalmente uma infecção da infância, mas pode acometer adultos em todas as faixas etárias. 

Epidemiologia da otite média aguda

Estima-se que pelo menos dois terços das crianças tenham pelo menos um episódio de OMA até um ano de idade., aumentando para 90% até os sete anos. É a infecção pediátrica mais comum para a qual os antibióticos são prescritos nos Estados Unidos. estimando-se um custo de 5 bilhões de dólares anualmente no país.

A maioria dos casos acontece entre 6 e 11 meses, diminuindo sua incidência gradativamente após os 5 anos de idade. A incidência entre adultos em países ricos em recursos é provavelmente inferior a 1%. Há uma pequena predileção pelo sexo masculino. 

#Ponto importante: a incidência de OMA em crianças caiu nas últimas duas décadas e acredita-se que isso ocorra pela introdução da vacinação pneumocócica de rotina em lactentes. 

Fisiopatologia

A orelha média é formada pela tuba auditiva (Trompa de Eustáquio), narinas e as células aéreas da mastóide. A  tuba auditiva é um ducto ósteo cartilaginoso que comunica o ouvido médio à rinofaringe. 

A tuba inicia-se em seu óstio timpânico e a porção cartilaginosa é fixada ao segmento ósseo que se encontra em um sulco na base da espinha angular do osso esfenóide, expandindo-se na medida que se dirige para a rinofaringe, onde abre-se em seu óstio faríngeo, posterior à cauda do corneto inferior e anterior ao recesso faríngeo lateral (Fosseta de Rosenmüller). 

Anatomia da orelha média. Crédito: Uptodate
Óstio faríngeo. Crédito: Fundação Otorrinolaringologia: FORL

A inflamação do trato respiratório superior predispõe à OMA via disfunção da trompa de Eustáquio, levando a pressão negativa e acúmulo de secreções da orelha média e comprometimento das defesas do hospedeiro (por exemplo, ação mucociliar normal). O crescimento microbiano nas secreções da orelha média pode resultar em supuração e sinais clínicos de OMA. 

Os agentes etiológicos mais envolvidos na otite média são virais, os mesmos causadores do resfriado comum, incluindo vírus sincicial respiratório, rinovírus, vírus influenza e adenovírus. Das causas bacterianas, o Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis são os mais comuns. 

Manifestações clínicas de otite média

Comumente, o paciente relata história de otalgia (dor no ouvido) súbita após estado gripal ou crise de rinite alérgica sazonal.  A otalgia é a queixa mais comum dos pacientes, que pode estar associada a fricção de ouvido, perda auditiva, drenagem de conteúdo seropurulento do ouvido (otorreia supurativa) e febre. 

Crianças pequenas com OMA, particularmente bebês, podem apresentar apenas sinais e sintomas inespecíficos como febre, agitação, sono perturbado ou inquieto, má alimentação/anorexia, vômitos, diarreia. 

#Ponto importante: conceito de otite média de repetição. A OMA recorrente é geralmente definida como ≥3 episódios distintos e bem documentados de OMA em seis meses ou ≥4 episódios em 12 meses.

A otite média pode evolui com complicações, divididas em dois grupos principais: 

  • Intratemporais: perda auditiva condutiva leve, disfunções vestibulares, de equilíbrio e motoras, perfuração de membrana timpânica, mastoidite supurativa, petrosite e labirintite.
  • Intracranianas: incluem a meningite, empiema subdural e trombose da artéria carótida, trombose de seio sigmóide, hidrocéfalo ótico, sepse e choque séptico.

Lista de manifestações:

  • Otalgia
  • Otorreia supurativa
  • Perda auditiva

Diagnóstico de otite média 

A realização do diagnóstico é etapa essencial para evitar o uso excessivo de antibióticos, o que leva ao desenvolvimento de organismos resistentes. 

O diagnóstico clínico de OMA requer evidência através da otoscopia de membrana timpânica abaulada ou membrana timpânica perfurada, associado ou não a otorréia purulenta se a otite externa tiver sido excluída. 

A MT normal é translúcida, perolada ou levemente acinzentada e apresenta mobilidade durante uma manobra de Valsalva, quando avaliada pela otoscopia.

Membrana timpânica normal. Crédito: Adaptado Uptadate, 2022. 

O abaulamento da membrana timpânica é o sinal mais específico e reprodutível de otite média aguda. Outros sinais incluem MT opacificada, imóvel e muitas vezes eritematosa. 

(A) Uma membrana timpânica abaulada com eritema mínimo. (B) abaulamento da membrana timpânica, eritema acentuado ao longo da alça do martelo e nível hidroaéreo na porção ântero-superior da membrana timpânica. Crédito: Uptodate

Tratamento de otite média

#Ponto importante: Como cerca de 80% das OMAs tem resolução espontânea e as diretrizes atuais orientam observar de 48 a 72 horas, utilizando apenas sintomáticos. Nesses casos, deve-se sempre reavaliar o paciente com a otoscopia. 

Para indicar tratamento com antibioticoterapia deve ser levado em consideração a idade do paciente, se o acometimento é uni ou bilateral e se há presença de sintomas graves ou complicações. Sintomas graves incluem otalgia moderada/grave que persiste por mais de 48 horas e/ou febre > 39°C. 

Tratamento com observação inicial sem antibiótico:

  • OMA não grave, unilateral, em crianças de 6 meses a 2 anos.
  • OMA não grave em crianças maiores de 2 anos, independente da lateralidade. 

Tratamento com antibiótico está indicado nos seguintes casos:

  • OMA não grave, bilateral, em crianças entre 6 meses e 2 anos.
  • Todos pacientes < 6 meses
  • OMA com sintomas graves
    • Pacientes com implantes cocleares ou imunodeficiências

O diagnóstico etiológico não é necessário para iniciar tratamento em pacientes com indicação de antibioticoterapia.  As opções são:

  • Amoxicilina: 50 mg/kg/dia, duas ou três vezes por dia (primeira escolha)
  • Ceftriaxona intramuscular ( para pacientes que não conseguem ingerir o medicamento oral): 50 mg/kg/dia, dose única diária, por três dias no mínimo. 

Se a otalgia intensa ou a febre persistirem após 72 horas do início do tratamento, o antibiótico deve ser trocado: As opções são:

  • Amoxicilina com clavulanato: 40 a 60 mg/kg/dia, duas ou três vezes por dia. 
  • Cefuroxima: 30 mg/kg/dia, duas vezes por dia

A duração do tratamento é de 10 dias para crianças <2 anos e de qualquer criança com perfuração da membrana timpânica ou história de OMA recorrente. Nas crianças  ≥2 anos com membrana timpânica intacta e sem história de OMA recorrente, o tratamento deve durar 5 a 7 dias.  

Prevenção

  • Vacinação antipneumocócica e influenza.
  • Aleitamento materno exclusivo até os 06 meses de idade 
  • Evitar exposição à fumaça do tabaco e uso de chupeta.
  • Em casos recorrentes, pode-se evitar colocar a criança em creches. 

CTAs - Black November 2022 - Ultimo Lote

Veja também:

Referências bibliográficas:

  • Acute otitis media in children: Treatment. Uptodate, 2022. 
  • Renata C. Di Francesco; Renata Dutra de Moricz; Silvio Marone. Otite Média aguda em pediatria diagnóstico e tratamento. SPSP.  ANO 1 • Nº 3• JUL/2016. Disponível em SPSP
  • Fundação de otorrinolaringologia (FORL). Otite média. Disponível em: FORL
  • Crédito da imagem em destaque: Pexels
Você pode gostar também