Resumo sobre Epstein-Barr: manifestações clínicas, complicações e mais!

Resumo sobre Epstein-Barr: manifestações clínicas, complicações e mais!

E aí, doc! Vamos falar sobre mais um tema? A conversa de hoje é sobre o Epstein-Barr, um vírus amplamente disseminado no mundo.

O Estratégia MED está aqui para te ajudar a entender mais sobre esse assunto e contribuir para o seu desenvolvimento profissional. Vamos lá!

Definição de Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr (EBV) é um tipo de herpesvírus amplamente disseminado que se espalha principalmente por contato íntimo entre indivíduos suscetíveis e portadores assintomáticos do vírus. 

Ele é o principal causador da mononucleose infecciosa (MI) e pode persistir de forma assintomática ao longo da vida em quase todos os adultos. Além da MI, o EBV está associado ao desenvolvimento de diversos tipos de câncer, incluindo linfomas de células B e T, linfoma de Hodgkin, carcinoma nasofaríngeo e carcinomas gástricos em certos pacientes. 

Embora a reativação do vírus não seja tão comum quanto em outros herpesvírus, pode estar associada a distúrbios linfoproliferativos agressivos em receptores de transplantes.

O vírus Epstein-Barr (EBV), assim como outros membros da família do herpesvírus, possui uma fase em que permanece latente no organismo hospedeiro. Durante essa fase, o vírus não está ativamente replicando e causando sintomas.

O EBV infecta principalmente certos tipos de células humanas, incluindo linfócitos B, linfócitos T, células natural killer (NK), células epiteliais (que revestem órgãos e cavidades corporais) e miócitos (células musculares).

Ao contrário de vírus como o herpes simplex (HSV) ou o citomegalovírus (CMV), o EBV tem a capacidade de transformar células B. Isso significa que o vírus pode alterar o comportamento dessas células, levando-as a se multiplicarem de forma descontrolada. No entanto, o EBV geralmente não causa danos visíveis nessas células, conhecido como efeito citopático.

Catálogo nomeado 'Residência Médica' não encontrado.

Epidemiologia do Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr (EBV) é extremamente comum e está amplamente disseminado em todo o mundo. A maioria das infecções primárias por EBV são subclínicas, o que significa que não causam sintomas significativos na maioria das pessoas infectadas. No entanto, o vírus pode permanecer latente no organismo e, em certos casos, pode levar ao desenvolvimento de doenças como a mononucleose infecciosa (MI) e cânceres linfoproliferativos.

Dois principais anticorpos contra o EBV foram identificados em todos os grupos populacionais com distribuição global. Cerca de 90 a 95 por cento dos adultos são soropositivos para esses anticorpos, indicando exposição prévia ao vírus. Porém, estudos sugerem que a infecção primária pelo EBV pode ocorrer em uma idade mais avançada em crianças residentes em países desenvolvidos. Isso pode estar relacionado a diferenças nos padrões de higiene e interações sociais.

A epidemiologia do EBV também mostra variações geográficas. Em algumas regiões do mundo, a infecção primária pelo EBV pode ocorrer mais cedo na infância, enquanto em outras pode ocorrer mais tarde. Além disso, fatores socioeconômicos e culturais podem influenciar a prevalência e a transmissão do vírus.

Manifestações clínicas do Epstein-Barr

A primeira vez que alguém é infectado pelo vírus Epstein-Barr (EBV) pode resultar em uma série de sintomas clínicos. Essa infecção inicial pode levar a complicações e aumentar o risco de desenvolvimento de várias doenças malignas:

Mononucleose Infecciosa Aguda

A mononucleose infecciosa (MI) é a manifestação clínica aguda mais conhecida do vírus Epstein-Barr (EBV). Geralmente, ela se inicia com mal-estar e dor de cabeça antes do desenvolvimento dos sinais mais específicos de amigdalite e/ou faringite, aumento e sensibilidade dos linfonodos cervicais e febre moderada a alta. 

Os principais sintomas resumem-se em:

  • Mal-estar;
  • Dor de cabeça;
  • Amigdalite e/ou faringite;
  • Aumento e sensibilidade dos linfonodos cervicais;
  • Febre moderada a alta;
  • Linfocitose no sangue periférico, com linfócitos atípicos;
  • Linfadenopatia simétrica, mais comum na cadeia cervical posterior;
  • Exsudato tonsilar com aparência branca, verde-acinzentada ou necrótica;
  • Fadiga intensa;
  • Petéquias palatais;
  • Edema periorbital ou palpebral;
  • Erupções cutâneas maculopapulares ou morbiliformes;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Anorexia;
  • Hepatite leve (encontrada em cerca de 90% dos infectados); e
  • Esplenomegalia (ocorre em até 50% dos pacientes).

Alguns pacientes apresentam hepatite na ausência de outras características típicas de MI.

A maioria dos indivíduos com infecção primária por EBV recupera sem intercorrências e desenvolve um alto grau de imunidade duradoura.  Os sintomas agudos desaparecem em uma a duas semanas, mas a fadiga geralmente persiste por semanas a meses.

Infecção primária por Epstein-Barr em bebês

Infecções primárias pelo vírus Epstein-Barr (EBV) são comuns em bebês e crianças e muitas vezes não apresentam sintomas. Quando os sintomas estão presentes, podem variar e incluir problemas como infecção de ouvido, diarreia, desconforto abdominal, infecções respiratórias superiores e mononucleose infecciosa.

Complicações da infecção por Epstein-Barr

A infecção pelo vírus Epstein-Barr (EBV) pode levar a diversas complicações imediatas e, em alguns casos, a consequências que se manifestam mais tarde nos hospedeiros:

Complicações agudas

Erupção cutânea

Uma complicação comum da mononucleose infecciosa é uma erupção cutânea chamada de erupção cutânea morbiliforme. Essa erupção pode ocorrer após a administração de certos antibióticos, como ampicilina, penicilina ou outros. Apesar de inicialmente relatada com uma alta incidência, estudos mais recentes indicam que ela é menos comum do que se pensava anteriormente.

Obstrução das vias aéreas

A hiperplasia linfóide maciça e o edema da mucosa podem levar à obstrução das vias aéreas superiores. Embora seja uma complicação rara, pode ser potencialmente fatal. 

O tratamento envolve geralmente o uso de corticosteroides para reduzir o edema faríngeo e a hipertrofia linfóide, além de intervenções como traqueotomia ou intubação endotraqueal em casos graves.

Ruptura esplênica

Esta é uma complicação muito rara, porém potencialmente fatal, da mononucleose infecciosa. A ruptura esplênica pode ocorrer sem histórico de lesão específica e geralmente ocorre entre o 4º e o 21º dia de doença sintomática. 

Embora seja uma condição séria, a fatalidade devido a essa complicação é rara. O tratamento pode envolver cuidados de suporte intensivos e, em alguns casos, esplenectomia.

Doença de Lemierre

Alguns estudos sugerem uma possível associação entre a mononucleose infecciosa e a doença de Lemierre subsequente. Esta é uma condição rara que envolve uma infecção bacteriana grave, geralmente causada pelo Fusobacterium necrophorum

Embora a relação entre a mononucleose e a doença de Lemierre não seja totalmente compreendida, alguns casos relatados indicam uma possível ligação entre as duas condições.

Complicações tardias 

Infecção Crônica Ativa por EBV (CAEBV) 

É um distúrbio linfoproliferativo raro e potencialmente fatal que pode envolver diversos tipos de células do sistema imunológico, como linfócitos B, T ou células NK. 

Os pacientes apresentam sintomas persistentes semelhantes à mononucleose infecciosa, acompanhados de viremia por EBV. O diagnóstico é complexo, mas geralmente envolve a detecção persistente do vírus e anormalidades nos testes de função hepática.

Esclerose Múltipla (EM)

Estudos sugerem uma associação entre a infecção pelo EBV e a EM. A presença do EBV pode aumentar o risco de desenvolvimento da EM. Embora o mecanismo exato não seja totalmente compreendido, o mimetismo molecular é uma das hipóteses mais plausíveis.

Leucoplasia Pilosa Oral (OHL)

É uma manifestação mucocutânea mediada pelo EBV que afeta o epitélio escamoso da língua. Embora inicialmente observada em pessoas com HIV, também pode ocorrer em outros pacientes imunocomprometidos. 

As lesões são características e geralmente não estão associadas a febre. O tratamento é principalmente de suporte, com terapias antivirais usadas ocasionalmente.

Distúrbios Linfoproliferativos

O EBV está associado a uma variedade de distúrbios linfoproliferativos, incluindo linfo-histiocitose hemofagocítica (LHH), granulomatose linfomatóide, doença linfoproliferativa ligada ao X (XLP) e doença linfoproliferativa pós-transplante (PTLD). Essas condições envolvem uma proliferação anormal de células imunológicas e podem variar em gravidade, desde manifestações benignas até malignas.

Malignidades relacionadas ao Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr tem o potencial de causar transformações celulares que levam ao desenvolvimento de várias doenças malignas. Estas incluem linfomas em receptores de transplantes, linfoma de Burkitt, tumores associados ao HIV, linfoma de Hodgkin, carcinomas nasofaríngeos e outros cânceres de cabeça e pescoço, câncer gástrico e linfoma de células T. 

Estudos recentes mostraram que uma proteína chamada EBNA 1, presente em todas essas doenças malignas ligadas ao EBV, pode causar instabilidade genômica através da ligação a sequências específicas de DNA no cromossomo 11.

Diagnóstico de Epstein-Barr

Quando há suspeita de infecção pelo vírus Epstein-Barr (EBV), o diagnóstico é geralmente confirmado por meio de exames de sangue e estudos sorológicos. Isso é especialmente relevante no contexto da mononucleose infecciosa, mas também pode ser aplicado a outras manifestações de infecção por EBV. 

Os exames laboratoriais ajudam a identificar anticorpos específicos e evidências da presença do vírus no sangue periférico, auxiliando assim no diagnóstico preciso da doença.

Tratamento para Epstein-Barr

O tratamento para infecções primárias pelo vírus Epstein-Barr (EBV) geralmente se concentra em cuidados de suporte, especialmente para casos de mononucleose infecciosa (MI) e outras manifestações agudas da doença. Isso inclui medidas como o uso de medicamentos para alívio dos sintomas, como paracetamol ou anti-inflamatórios não esteroides para febre e desconforto na garganta.

Além disso, é importante garantir uma boa hidratação e nutrição adequada. Embora o repouso seja recomendado, a hospitalização não é necessária na maioria dos casos, a menos que haja complicações graves.

O uso de corticosteroides tem sido controverso e geralmente não é recomendado para casos rotineiros de MI, pois a doença tende a se resolver por conta própria. No entanto, em situações de obstrução iminente das vias aéreas ou complicações graves, como insuficiência hepática, uma terapia com corticosteroides pode ser considerada. 

Quanto ao tratamento antiviral, o aciclovir tem sido estudado, mas sua eficácia na MI aguda é questionável. Embora possa reduzir temporariamente a eliminação viral, não há evidências robustas de benefício clínico significativo em comparação com o placebo. 

Em casos de complicações tardias, como infecção crônica ativa por EBV, distúrbios linfoproliferativos ou malignidades associadas ao EBV, o tratamento pode envolver abordagens mais agressivas, como transplante de células-tronco hematopoiéticas, terapias imunomoduladoras ou tratamentos específicos para as condições malignas. 

Veja também!

Referências

John L Sullivan, MD. Clinical manifestations and treatment of Epstein-Barr virus infection. UpToDate, 2024. Disponível em: UpToDate

Você pode gostar também