ResuMED de coqueluche – agentes etiológicos, transmissão, diagnóstico, tratamento e muito mais!

ResuMED de coqueluche – agentes etiológicos, transmissão, diagnóstico, tratamento e muito mais!

Como vai, futuro Residente? A coqueluche é um tema muito abordado nas provas de Residência Médica, principalmente seus diagnósticos diferenciais, tratamento e quadro clínico, além de ser uma doença muito frequente, principalmente em jovens. Por isso, nós do Estratégia MED preparamos um resumo exclusivo para você com tudo o que precisa! Quer saber mais? Continue a leitura. Bons estudos!

Introdução

Também conhecida como “tosse comprida”, a coqueluche é uma doença infecciosa aguda imunoprevenível altamente relacionada à taxa de morbimortalidade em lactentes jovens. 

Transmissão e agentes etiológicos

A coqueluche possui como característica a evolução em surtos, portanto entender sua transmissão é fundamental. Seu principal agente etiológico é a Bordetella pertussis, uma bactéria tipo bacilo gram-negativo, aeróbia, encapsulada, que produz adesinas e toxinas que lesam o trato respiratório e causam depressão do sistema imune do paciente, predispondo-o a infecções secundárias. 

É uma doença de notificação compulsória e sua transmissão ocorre pelo ar. O período de incubação da bactéria é de 5 a 10 dias e a transmissão pode ocorrer desde o quinto dia após a exposição até a terceira semana após o início da tosse paroxística. Após o início do tratamento, o paciente ainda pode transmitir a doença por até 5 dias. 

Fisiopatologia

De modo geral, a bactéria causadora da coqueluche produz adesinas que permitem sua adesão aos cílios do trato respiratório, além de produzir toxinas que paralisam e destroem as células epiteliais do trato, prejudicando a produção de secreções e microorganismos. As toxinas também entram na corrente sanguínea, induzindo a hiperinsulinemia e alterações típicas no hemograma, como a  leucocitose e a linfocitose. 

Fatores de risco e quadro clínico

A coqueluche possui manifestações clínicas diferentes, dependendo da idade do paciente. Adultos e adolescentes geralmente apresentam quadros atípicos, com tosse, coriza e sem os “clássicos”. 

Alguns fatores de risco são conhecidos por se relacionarem às manifestações crônicas da forma grave da coqueluche, são eles:

  • Lactentes menores de 6 meses, principalmente abaixo de 3 meses;
  • Presença de hiperleucocitose;
  • Hipertensão pulmonar;
  • Prematuridade;
  • Doenças crônicas: cardíacas, pulmonares e neurológicas. 

Fases

Cada fase da coqueluche possui uma manifestação clínica diferente, veja:

Fase catarral: 

  • Duração: 1 a 2 semanas;
  • Sintomas: leves, como quaisquer infecções de vias aéreas superiores (febre baixa, tosse seca, coriza e pode haver mal-estar discreto);
  • Transmissão: maior taxa de transmissão;
  • *Ao final, a tosse seca se intensifica e passa a ocorrer em surtos, cada vez mais frequentes e intensos.

Fase paroxística:

  • Duração: 2 a 6 semanas;
  • Sintomas: geralmente é afebril, com surtos súbitos de tosse seca de duração inferior a  45 segundos (curtas), seguida de dificuldade de respirar. Isso faz com que o paciente force a inspiração, causando um “guincho respiratório”, característico da coqueluche. Em crianças maiores, pode haver sensação de asfixia e saliência dos olhos. Protusão da língua, salivação, vômitos, também podem estar presentes.
  • Exame físico: taquipneia momentânea nos acessos de tosse, cianose episódica, petéquias na face e hemorragias conjuntivais. É possível identificar roncos na ausculta pulmonar. 

Fase de convalescença:

  • Duração: 2 a 6 semanas;
  • Sintomas: volta a “tosse normal”, que pode durar até 3 meses, mas se o paciente apresentar um quadro de infecção de vias aéreas superiores, a tosse paroxística pode reaparecer;
  • É a fase de recuperação. 

Diagnóstico

O diagnóstico da coqueluche é feito tanto pela anamnese bem estruturada quanto com os exames complementares, como radiografia de tórax e hemograma.

Na radiografia é possível observar infiltrados peri-hilares, devido aos infiltrados pulmonares, já no hemograma estão presentes alterações laboratoriais desencadeadas pela toxinas pertussis, como a leucocitose com linfocitose, que se intensifica na fase paroxística. 

Seu padrão-ouro, especificamente, é uma cultura para identificação da B. pertussis, em material coletado da nasofaringe, e deve ser feita em coletas na fase aguda, antes do tratamento antibiótico ou, no máximo, em até 3 dias após seu início. 

No Brasil, testes sorológicos não são adequados para o diagnóstico da coqueluche, pois poderiam encontrar resultados positivos devido à vacinação. Além disso, a sorologia geralmente sofre positivação somente 2 semanas após o início do quadro.

Diagnósticos diferenciais

Por ter sintomas respiratórios, a coqueluche pode ser confundida com outras patologias do trato respiratório. Por isso, é importante que você saiba seus principais diagnósticos diferenciais, com destaque para a bronquiolite viral aguda.

A bronquiolite viral aguda é causada pelo vírus sincicial respiratório ou outros vírus. Acomete lactente de forma aguda, com coriza, espirros e febre baixa que piora após 4 a 6 dias e evolui com sibilância e sinais de hiperinsuflação pulmonar. Não há guincho nem acessos de tosse e seu hemograma não possui alterações, somente padrão viral. 

Outros diagnósticos possíveis são pneumonia afebril do lactente, síndrome gripal, infecções das vias aéreas superiores, pneumonia bacteriana (típica), pneumonias atípicas, laringite viral e crupe bacteriano. No material completo do Estratégia MED, você tem acesso às principais características de cada um dos diagnósticos possíveis em relação à coqueluche, não deixe de conferir!

Tratamento

Dependendo da gravidade do quadro e da idade do paciente, pode ser necessária internação hospitalar, caso haja as seguintes indicações:

  • Lactentes menores de 3 meses;
  • Fatores de risco como prematuridade, doenças cardíacas, neurológicas e pulmonares;
  • Desconforto respiratório grave;
  • Evidência de pneumonia;
  • Incapacidade de se alimentar;
  • Apneia ou cianose;
  • Convulsões.

O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível com macrolídeos para reduzir a intensidade dos sintomas e a transmissibilidade, podendo utilizar eritromicina, azitromicina ou claritromicina. 

É importante um tratamento efetivo pois a coqueluche pode evoluir com algumas complicações, como: infecções secundárias, complicações respiratórias, desidratação, complicações neurológicas, pertussis maligna e sinais de desequilíbrio hemodinâmico. 

Prevenção e vigilância epidemiológica

A vacinação DTP protege contra coqueluche, mas para isso são necessárias 3 doses no primeiro ano de vida com reforço aos 15 meses e aos 4 anos. Toda gestante deve ser vacinada após a 20ª semana de gestação, pois ocorre a passagem de anticorpos para o bebê, tornando-o protegido nos primeiros seis meses de vida. 

Em casos suspeitos, com situação epidêmica ou endêmica, todos os comunicantes (comum ou vulnerável) menores de 7 anos que estejam com calendário vacinal incompleto ou desconhecido devem ser vacinados.

A profilaxia é realizada de maneira igual ao tratamento, com as mesmas medicações nas mesmas doses, e é recomendada em comunicantes nos seguintes perfis:

  • Menores de 1 ano: todos;
  • 1 a 7 anos: não vacinados, vacinação desconhecida ou incompleta;
  • Maiores de 7 anos: que tiveram contato com o caso índice no período de 21 dias antes dos sintomas do caso até 3 semanas após ter iniciado a fase paroxística, ou que tiveram contato com comunicante vulnerável no mesmo domicílio;
  • Profissionais da saúde: que trabalham com crianças. 

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de fazer parte do time Estratégia MED acessando a nossa plataforma! Lá você encontra tudo o que precisa sobre diversos temas para as provas de Residência Médica, com acesso a videoaulas, resumos, materiais, simulados, bancos de questões e muito mais exclusivamente para você, futuro Residente! Não deixe de conferir!

Não se esqueça de compartilhar com um amigo futuro residente também. Afinal, quem estuda junto, passa junto! 

Você também pode se interessar por:

Você pode gostar também