ResuMED de maus-tratos: quadro clínico e mais!

ResuMED de maus-tratos: quadro clínico e mais!

Como vai, futuro Residente? Você sabia que o tema maus-tratos é o segundo mais frequente nas provas de residência para Ortopedia Pediátrica e Ortopedia no geral? Por isso, nós do Estratégia MED preparamos um resumo exclusivo com tudo o que você precisa saber sobre o tema para alcançar sua vaga. As questões abordam principalmente a Síndrome do Bebê Chacoalhado e o diagnóstico de maus-tratos. Quer saber mais? Continue a leitura. Bons estudos!

Introdução

Por definição, maus-tratos são sinônimo de violência contra a criança e podem ser de 4 tipos:

  • NEGLIGÊNCIA: um tipo de violência “social”, em que os cuidadores da criança não proveem o mínimo necessário para sua sobrevivência, mas não por falta de recursos (lembre-se do Harry Potter).
  • PSICOLÓGICO: qualquer comportamento dos pais, cuidadores ou pessoa envolvida com a criança que a lese do ponto de vista psicológico, como bullying.
  • FÍSICO: agressões físicas, independentemente do tipo ou intensidade.
  • SEXUAL: envolve desde a expressão de desejos, obscenidade ou realização de carícias em áreas sexuais até o ato sexual em si, praticado por uma pessoa mais velha contra uma criança ou adolescente.

Qualquer camada social pode apresentar casos de maus-tratos, porém, as famílias desestruturadas e de menor renda são fatores de risco. Segundo pesquisas internacionais, normalmente o agressor é o pai ou padrasto. Além disso, o estudo ainda indica a seguinte prevalência de maus tratos: negligência > psicológica > sexual. 

Atente-se: em provas do Paraná, por exemplo, o principal agressor apontado é a mãe

Quadro clínico

Existem 4 achados importantes na suspeita clínica de maus-tratos  à criança, são eles:

  • História clínica incompatível com a lesão observada;
  • Regressão do desenvolvimento neuropsicomotor e alterações comportamentais;
  • Lesões corporais em vários estágios de evolução e em locais de suspeita;
  • Fraturas conforme especificidade e em vários locais.

Os locais das lesões indicam a suspeita de maus-tratos principalmente quando localizados nas coxas, pés, mãos, antebraços, pescoço e bochechas. Lesões na parte superior do crânio, ombros, cintura, pernas e braços podem indicar acidentes.

No caso de fraturas, as mais comuns são: arcos costais, fratura de diáfise do fêmur e fraturas em alça de balde. Elas podem ser indicativas de maus-tratos de alta a baixa especificidade, em que a apresentação desses fatores podem direcionar o diagnóstico. São elas: 

  • Alta especificidade: lesões metafisárias clássicas (alça de balde e canto), arco posterior da costela, processo espinhoso e externo.
  • Moderada especificidade: múltiplas fraturas (em especial bilateralmente), fraturas em vários estágios de consolidação, separação epifisária, fratura ou luxação de corpo vertebral, dedos e fraturas complexas de crânio.
  • Baixa especificidade: clavícula, ossos longos e fratura linear de crânio. 

Síndrome do bebê chacoalhado

Essa síndrome é muito frequente em questões, atenção! Nas provas, os examinadores esperam que você relacione a síndrome a hemorragias retinianas ou a hemorragias subdurais. Seu diagnóstico se baseia na tríade clássica: hemorragias retinianas, hemorragias subdurais e lesões em partes moles. Geralmente, a história mais frequente é um pai estressado que não consegue dormir e sacode a criança. 

Ainda sobre o diagnóstico, este é realizado com a associação da anamnese bem estruturada aos achados clínicos do exame físico. Além disso, podem ser  realizados exames complementares, como radiografias de todos os ossos longos em crianças com menos de 2 anos, que devem ser repetidas em 7 a 10 dias para buscar lesões ocultas e suas evoluções. 

Também é possível fazer diagnóstico diferencial, como:

  • Trauma acidental: apresenta-se com história compatível com a fratura e lesões apresentadas;
  • Fratura patológica: o osso se apresenta com alteração subjacente compatível (como tumor ou infecção óssea);
  • Osteogênese imperfeita: apresenta-se com deformidade óssea e osteopenia. Os traumas são acidentais, portanto também com história e lesões compatíveis. Geralmente a criança é de baixa estatura, com esclera azulada e face triangular.
  • Raquitismo: o osso apresenta osteopenia e deformidade, como na osteogênese imperfeita, mas as fraturas são bem menos frequentes. 

Síndrome de Munchausen por procuração

É uma doença sempre presente nas questões de maus-tratos. Corresponde a uma síndrome em que os pais provocam sinais, sintomas ou até mesmo lesões nas crianças, por exemplo, fazendo-as ingerir produtos que as fazem vomitar, apenas para buscar atendimento médico.

Conduta

Concluindo, a conduta deve ser, portanto, realizada em 3 segmentos de avaliação:

  • Avaliar a história:
    • Compatível → fratura acidental
    • Não-compatível → maus-tratos
  • Avaliar as lesões corporais:
    • Aspectos acidentais → fratura acidental
    • Lesões múltiplas em múltiplos estágios → maus-tratos
  • Avaliar radiografias:
    • Alterações ósseas → pesquisar fraturas patológicas
    • Múltiplas fraturas e especificidade de fraturas → maus-tratos

Lembre-se: o Conselho Tutelar ou a Vara da Infância deve sempre ser notificado, mesmo a suspeita ainda sem confirmação diagnóstica. A notificação inclui também a vigilância epidemiológica, sem condutas do ponto de vista policial ou de IML. Caso o profissional não execute a notificação, está sujeito a multa de 3 a 20 salários mínimos.

Não se pode encaminhar um paciente com suspeita ou com confirmação de maus-tratos de volta para residência ou transtorno ambulatorial, sempre deve ser feita a internação para sua proteção contra os cuidadores e instituir um tratamento adequado. 

Educação x violência

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), um artigo recém-publicado revelou, que ainda em 2020, muitos países como Estados Unidos, Inglaterra, Austrália, Rússia e outros,  não apresentaram leis de proteção às crianças contra castigos físicos por pais ou educadores. Por consequência, o Estado não pode intervir no modo de educação das famílias. 

Já no Brasil, desde 2014 é um ato criminoso usar punição física como forma de educação, porém, também segundo a SBP, no período de janeiro de 2010 a agosto de 2020, mais de 103 mil crianças e adolescentes de até 19 anos de idade morreram vítimas de agressão física. 

Na pandemia de Covid-19, segundo a Agência Brasil, os índices de maus-tratos aumentaram devido ao isolamento social e a ausência de oportunidade de pedir ajuda, reforçando ainda mais a necessidade de notificação às respectivas autoridades. 

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de fazer parte do time Estratégia MED acessando a nossa plataforma! Lá você encontra tudo o que precisa sobre diversos temas para as provas de Residência Médica, com acesso a videoaulas, resumos, materiais, simulados, bancos de questões e muito mais exclusivamente para você, futuro Residente! Não deixe de conferir!

Não se esqueça de compartilhar com um amigo futuro residente também. Afinal, quem estuda junto, passa junto! 

Curso Extensivo Residência Médica

Você também pode se interessar por:

Você pode gostar também