ResuMED de córnea e cristalino: principais patologias e mais!

ResuMED de córnea e cristalino: principais patologias e mais!

Como vai, futuro Residente? As questões sobre o tema de córnea e cristalino possuem pouca incidência nas provas de Residência Médica em Oftalmologia, mas quando presentes os principais temas incluem catarata senil, catarata congênita, catarata subcapsular e catarata adquirida. Por isso, nós do Estratégia MED preparamos um resumo exclusivo com tudo o que você precisa saber sobre as principais patologias do assunto para suas provas de Residência Médica. Para saber mais, continue a leitura, bons estudos!

Córnea – ectasias corneanas

Ectasias são patologias que levam ao afinamento e protrusão da córnea, e podem ser divididas em 3 grupos: ceratocone, degeneração marginal pelúcida e ceratoglobo. Entre elas, a mais importante é o ceratocone, por isso vamos abordar apenas essa patologia, atente-se!

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Ceratocone

É uma doença progressiva em que a córnea assume uma forma de cone secundária ao afinamento do seu estroma, por isso o seu nome. Na maioria das vezes se manifesta durante a infância ou puberdade, podendo acometer ambos os olhos de forma assimétrica.

Um dos seus fatores de risco é o histórico familiar de ceratocone, possui associação com algumas desordens tanto oculares quanto sistêmicas, sendo elas:

  • Desordens sistêmicas: Síndrome de Down, Síndrome de Turner, Síndrome de Ehlers-Danlos, Síndrome de Marfan, osteogênese imperfeita e prolapso da válvula mitral.
  • Desordens oculares: ceratoconjuntivite vernal, esclera azul, anidria, amaurose congênita de Leber e retinose pigmentar.

Entre elas, a mais importante é lembrar que a ceratocone está estreitamente relacionada a crianças que possuem o hábito de coçar muito os olhos. 

Clinicamente, seus sinais e sintomas incluem:

  • Visão progressivamente diminuída, que pode começar na infância e se estender até a meia-idade. Comumente, o paciente se queixa de mudança frequente na prescrição dos óculos.
  • Afinamento da córnea, central ou paracentral inferior, acompanhado de protrusão apical da córnea.
  • Sinais que podem estar presentes: estrias de Vogt (linhas de tensão verticais na córnea posterior), reflexo em tesoura (reflexo retinoscópio retiniano irregular), sinal de Munson (saliência da pálpebra inferior em infraversão) e anel de Fleischer, formado por depósitos de ferro na base do cone. 

Seu diagnóstico é feito com base na história clínica do paciente, nos achados ao exame na lâmpada de fenda, na refração e em exames complementares. O exame com maior acurácia é a topografia corneana computadorizada, que mostra um aumento de curvatura central e inferior. Já o seu tratamento depende do estágio em que a patologia se encontra, mas independente disso, os pacientes devem ser orientados a não esfregar os olhos de forma alguma, pois o atrito entre as pálpebras com a superfície ocular pode piorar a doença.

Algumas medidas de tratamento para o ceratocone são:

  • Óculos: para correção de astigmatismos baixos, em ceratocones incipientes. 
  • Lentes de contato rígidas: indicadas para a maioria dos pacientes, que possibilitam uma melhora significativa da visão quando há ceratocone. 
  • Implante de anel intracorneano: indicada para ceratocones leves a moderados, para pacientes refratários ou com lentes de contato, para um aplanamento corneano, reduzindo assim o astigmatismo.
  • Transplante de córnea: indicada quando as lentes de contato não são toleradas ou quando não apresentam mais resultados satisfatórios para a visão, geralmente em ceratocones avançados. 
  • Crosslinking corneano: procedimento para reforçar o cruzamento das fibras de colágeno no estroma, tornando a córnea mais “forte” e eliminando a progressão da doença. Indicado para pacientes com ceratocone em progressão, é o único tratamento que interfere nisso. 

Distrofias corneanas

É um grupo de patologias em que uma ou mais partes da córnea perde sua transparência, evoluindo com opacidade da córnea. São desordens progressivas, bilaterais, não inflamatórias, geralmente determinadas geneticamente, cujas o início é precoce, na maioria dos casos na infância, de evolução lenta, sem associação a outras doenças oculares ou sistêmicas.

Podem ser classificadas com base na camada de córnea acometida, podendo ser:

  • Distrofias epiteliais;
  • Distrofias da camada de Bowman;
  • Distrofias estromais; e
  • Distrofias endoteliais.

Entre elas, a mais comum é a distrofia endotelial, também chamada de distrofia de Fuchs, que acomete a camada mais profunda da córnea, o endotélio. É mais frequente em mulheres após os 50 anos de idade, caracterizada por uma perda acelerada de células endoteliais bilateralmente, que evolui com edema estromal secundário em direção à superfície da córnea, com formação de bolhas ou microbolhas, além de erosões devido à ruptura dessas bolhas. 

Seu principal sintoma é a visão borrada e o ofuscamento, geralmente pior ao acordar, além de queixa de dor intensa devido à ruptura das bolhas. Como as células endoteliais não se renovam, seu tratamento inicial é conservador, buscando a redução do edema da córnea. Podem ser usados colírios hiperosmóticos tópicos e colírios hipotensores, no caso de erosão epitelial podem ser usadas lentes de contato terapêuticas e lágrimas artificiais, em último caso, quando avançados, pode ser necessário um transplante de córnea. 

Cristalino

Relembrando sobre o cristalino, é uma lente transparente e biconvexa, localizada atrás da pupila, com poder dióptrico de aproximadamente +20 dioptrias, é um tecido avascular, composto apenas por água e proteína. Sua histologia é composta por cápsula, epitélio e fibras reticulares. 

A principal patologia que acomete o cristalino é a catarata, uma patologia degenerativa caracterizada pela perda da transparência do cristalino, considerada a principal causa de cegueira reversível do mundo e um problema de saúde pública. Vamos abordar aqui a catarata senil e a catarata congênita, mais frequente em provas, atente-se! 

Catarata senil

Está relacionada ao envelhecimento das fibras do cristalino, que por não se renovarem possuem praticamente a mesma idade do indivíduo, fazendo com que o cristalino perca progressivamente sua transparência e tornando-se opaco. 

Entre alguns fatores de risco estão o tabagismo, radiação ultravioleta e álcool, e seu principal sintoma é o borramento ou perda da visão lentamente progressivos relatados pelo paciente, podendo afetar um ou ambos os olhos. 

Ao exame oftalmológico, o principal sinal é a opacificação do cristalino, que pode variar de acordo com as características da catarata. Anatomicamente, a catarata pode ser nuclear, cortical e subcapsular posterior, confira o material completo do Estratégia MED para saber mais sobre cada tipo. 

O exame mais importante é a biomicroscopia, realizada na lâmpada de fenda, e seu tratamento é por correção cirúrgica para remoção do cristalino opaco e implantação de lente intraocular, geralmente por facoemulsificação. 

Catarata congênita

Por fim, a catarata congênita constitui a principal causa de deficiência visual tratável ou prevenível na infância, geralmente causada por fatores idiopáticos, hereditários, associados a alterações sistêmicas e infecções intrauterinas.  Sua principal complicação é que pode causar ambliopia e estrabismo secundário, fazendo com que seu diagnóstico e tratamento precoces sejam fundamentais. 

O diagnóstico é feito pelo teste do reflexo vermelho e seu tratamento é sempre cirúrgico, com a retirada do cristalino opacificado, geralmente entre 4 e 6 semanas de vida do recém-nascido. 

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de fazer parte do time Estratégia MED acessando a nossa plataforma! Lá você encontra tudo o que precisa sobre diversos temas para as provas de Residência Médica, com acesso à videoaulas, resumos, materiais, simulados, bancos de questões e muito mais exclusivamente para você, futuro Residente! Não deixe de conferir!

Não se esqueça de compartilhar com um amigo futuro residente também. Afinal, quem estuda junto, passa junto! 

Coruja VIP

Veja também:

Você pode gostar também