Choque: definição, tipos e causas!

Choque: definição, tipos e causas!

Choque é uma situação crítica caracterizada pela diminuição da disponibilidade de oxigênio para diferentes partes e estruturas do corpo humano. Esse quadro pode ser causado por diversos motivos, desde circulatórios à neurológicos, que comprometem a correta perfusão dos tecidos. Seus subtipos são nomeados de acordo com a causa original desencadeadora.

Quer saber mais sobre o tema? Então acompanhe este texto que o Estratégia MED preparou com os principais tópicos do assunto!

O que é o Choque?

Choque é definido como um estado de oxigenação insuficiente nos tecidos. As células humanas são vivas, portanto, dependem de nutrição adequada e uma oferta de oxigênio suficiente para sua sobrevivência. Por isso, um quadro de choque pode ser perigoso, colocando em risco as células e, até mesmo, a vida do paciente.

De forma geral, os tecidos do corpo humano recebem oxigênio e nutrientes através do sangue. Sendo assim, o choque tende a estar associado ao mau funcionamento do sistema cardiorrespiratório

Quais os tipos?

O choque pode ter diferentes origens fisiológicas e anatômicas. Cada uma delas caracteriza um tipo diferente de choque, com variados níveis de gravidade e tratamentos específicos. Em algumas situações podem estar presentes mais de um deles. Os principais tipos de choque são:

Choque Séptico

Classificado no grupo de choques distributivos, ou seja, quando a origem do quadro está em uma distribuição de oxigênio ineficiente. Costuma ser uma complicação da septicemia ou infecção generalizada. Sua mortalidade pode variar entre 20% e 50% dos casos, já que a janela de atuação tem um período curto.

Quando o corpo humano reconhece um invasor, células imunes são ativadas e começam a gerar uma resposta inflamatória. Essa inflamação intensa libera substâncias que agem no leito dos vasos sanguíneos diminuindo sua permeabilidade. Assim, mais sangue é extravasado e consequentemente menos sangue oxigenado chega corretamente aos tecidos.

Tal diminuição do volume de sangue nos vasos abaixa consideravelmente a pressão arterial. Com isso há uma ineficiência do processo de distribuição de oxigênio, configurando um quadro de choque séptico.

Choque Hipovolêmico

Sua causa mais comum é a hemorragia, quando o corpo perde sangue. Essa perda de volume sanguíneo pode ser para o meio externo ou mesmo para cavidades corporais. Além disso, há um déficit de fluidos e eletrólitos, o que interfere no correto funcionamento do sistema circulatório.

Nessa situação, o volume de sangue que chega ao coração diminui. Isso limita a quantidade de sangue que é direcionada aos tecidos, tornando ineficiente a oferta de oxigênio aos tecidos, o que configura um quadro de choque hipovolêmico.

Choque Cardiogênico

O coração funciona como uma bomba, agindo para impulsionar o sangue até os tecidos corporais. Dessa forma, quando esse órgão funciona incorretamente, a distribuição de oxigênio pelo corpo é limitada. O choque cardiogênico normalmente está associado ao infarto agudo do miocárdio, situação na qual o coração, ou parte dele, para de bombear corretamente o sangue.

Choque Neurogênico

Normalmente, o choque neurogênico é causado por lesão da medula, uma estrutura nervosa que distribui comandos para todo o organismo. A lesão medular pode acontecer em acidentes, principalmente automobilísticos; mas também devido à ação de medicamentos, doenças ou tumores, o que prejudica a função cardiorrespiratória e limita a oxigenação.

O sistema nervoso, através dos neurônios, controla o metabolismo humano. Por isso, toda a maquinaria cardiorrespiratória recebe influência e controle provenientes de estruturas nervosas. Dessa forma, caso aconteça uma situação de alteração do sinal nervoso que chega ao coração e aos pulmões, o indivíduo tem grandes chances de entrar em choque.

Quais as causas?

Como visto anteriormente, diversas situações podem causar o choque. Geralmente, isso resulta na baixa disponibilidade de oxigênio para as células do corpo humano. A diminuição do volume de sangue — comum em hemorragias —, parada cardíaca — normalmente associada a infarto agudo do miocárdio —, e hipotensão são causas comuns de choque.

Tratamentos

O tratamento depende do tipo de choque. Choques hemorrágicos precisam de uma abordagem que reponha o volume sanguíneo, com sangue e soro. Choque séptico necessita de tratamento medicamentoso com antibiótico.

Medicação com agentes vasoativos podem também ser utilizados em alguns casos.

Gostou das informações separadas para você? No blog do Estratégia MED tem muito mais! Se vai prestar provas de Residência Médica ou a prova do Revalida, o Banco de questões de medicina e o Curso extensivo para Residência Médica podem lhe ajudar! Com eles, você tem acesso a milhares de questões, além de materiais exclusivos e atualizados preparados pelos nossos professores. Não perca essa oportunidade, clique no banner abaixo e saiba mais sobre a nossa plataforma!

Coruja VIP

Você também pode se interessar por:

Você pode gostar também