Doença de Haff: tudo sobre!

Doença de Haff: tudo sobre!

Quer saber mais sobre o que é a rara Doença de Haff? Dê uma olhada nos principais tópicos que o Estratégia MED separou para você!

O que é Doença de Haff?

A Doença de Haff é um quadro raro de quebra de células musculares. Essa rabdomiólise pode se mostrar por meio do aparecimento de rigidez muscular ou mesmo dores musculares. A doença de Haff também é caracterizada pelo aumento da proteína Creatinafosfoquinase (CPK) no sangue, o que evidencia o comprometimento dos músculos.

Além de ser rara, a Doença de Haff é pouco conhecida. A hipótese mais provável é que ela seja causada pela ingestão de uma toxina encontrada em peixes ou em outros animais de água doce. A substância específica ainda não foi descrita, mas sabe-se que ela é termorresistente, logo, não é eliminada com o calor. Os casos registrados mencionam ingestão de peixe cozido.

A doença de Haff tem uma progressão rápida, de algumas horas. Dessa forma, foi percebido que portadores desse quadro alimentaram-se de peixe cozido nas últimas 24 horas. Diversas espécies de peixes foram registradas como vetores da toxina no Brasil, especialmente, o Pacu-Manteiga, o Tambaqui e o Pirapitinga.

Além das espécies já citadas, o Brasil registrou um surto de Doença de Haff no estado de Pernambuco, associado ao consumo do peixe Arabaiana. Já a espécie Badejo foi a responsável por alguns casos no estado da Bahia.

Como a doença é adquirida?

A Doença de Haff é adquirida pela ingestão de uma toxina, ainda pouco conhecida. Está associada ao consumo de algumas espécies de peixes, como mencionado acima. Além disso, alguns relatos também apontaram crustáceos e outros animais de água doce como possíveis fontes de contaminação para o ser humano. 

A intoxicação do peixe, em si, pela toxina também não é muito bem esclarecida. Entretanto, as principais hipóteses apontam para uma contaminação desses animais por meio da alimentação de algas intoxicadas ou por um armazenamento inadequado do pescado destinado ao consumo.

Vale ressaltar que a toxina não altera o sabor, a textura ou a aparência do peixe preparado. Por isso, é difícil a prevenção por meio de cuidados domésticos com o alimentos, como armazenamento e lavagem corretas.

Quais os sintomas da Doença de Haff?

Os sintomas aparecem algumas horas depois da ingestão da toxina. A maior parte dos sinais da doença de Haff está associada ao dano muscular causado por ela. São eles: dor muscular intensa (mialgia), dormência de alguma região corporal e rigidez muscular repentina.

Um outro sintoma bastante característico é a urina escura. Por isso, a doença também é conhecida como ‘Doença da Urina-Preta’. Quando não tratada a tempo, pode evoluir para quadros de falência de órgãos.

Tratamento

Apesar da agressividade do quadro e do pouco conhecimento sobre a doença, o tratamento costuma ter um bom resultado e consegue evitar manifestações mais graves. Entretanto, precisa ser iniciado rapidamente, além de ser recomendado descanso e hidratação. 

Farmacologicamente, a administração de Bicarbonato é a proposta mais aceita. O uso de altas doses da vitamina B1 parece ter bons resultados, mas ainda precisa de alguns estudos para sua comprovação. Além disso, analgésicos podem ajudar a diminuir a dor.

Gostou desse texto? O Blog do Estratégia MED tem muita informação médica disponível e acessível. Caso esteja prestando provas de Residência Médica, o Banco de Questões MED e o Curso Extensivo MED podem te ajudar! Clique no banner e confira: 

Banco de questões de residência médica Estratégia Med
Você pode gostar também