Resumo de osteomielite: manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento e mais!

Resumo de osteomielite: manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento e mais!

Quer conhecer mais sobre a osteomielite, como suas causas, diagnóstico e tratamento e como esse tema pode ser cobrado? Leia o artigo que o Estratégia MED preparou para essas e mais informações! 

Dicas do Estratégia para provas

Se precisar maximizar seu tempo nesse momento, sugerimos que foque nos seguintes assuntos:

  • Quadro clínico da osteomielite
  • Diagnóstico e tratamento

Definição de osteomielite

Osteomielite é uma infecção óssea que compromete o osso cortical e esponjoso e o canal medular. É uma doença que evolui rapidamente e que pode cronificar se não tratada a tempo. A maioria das osteomielites são causadas por Staphylococcus aureus

É possível classificar as osteomielites da seguinte maneira:

  1. Osteomielite hematogênica aguda: trata-se da forma mais comum e se relaciona com focos infecciosos à distância, que dão origem a essa infecção óssea;
  2. Osteomielite crônica: se desenvolve após o tratamento atrasado ou sua ausência das formas agudas. Há muito tecido necrosado e sequestro ósseo;
  3. Abscesso ósseo: forma mais branda de infecção óssea, com o englobamento do foco, que não permite sua expansão; 
  4. Osteomielite pós-traumática: decorrente de contaminação direta, por ferimentos ou fraturas expostas; e 
  5. Osteomielite pós-operatória: cirurgias de grande porte, colocação de pinos e parafusos, alongadores ósseos, entre outros, podem favorecer a contaminação do tecido ósseo.

Fisiopatologia da osteomielite

Na forma hematogênica aguda, normalmente há um foco infeccioso responsável por bactérias circulantes ou existe uma bacteremia silenciosa. Como a região metafisária de ossos longos são mais vascularizados, torna-se especialmente vulnerável à osteomielite. 

Como há circulação terminal de pequenos capilares nesses ossos, os êmbolos bacterianos não são capazes de prosseguir na corrente sanguínea, o que leva a formação do foco infeccioso nos ossos. 

A evolução da doença leva a formação de abscessos, cujo pus infiltra pelos canais de Havers e Volkmann, se espraiando pelo osso. Se não há drenagem, o pus descola o periósteo, invade partes moles e pode formar fístulas para o exterior. 

Quando essa condição não é tratada, a osteomielite passa da forma aguda para a crônica, devido à formação de osso necrosado em decorrência de isquemia. Dessa forma, o diagnóstico e tratamento precoces são fundamentais para evitar o agravamento da condição do paciente. 

Manifestações clínicas da osteomielite

Os principais sintomas da osteomielite aguda são:

  1. Dor de instalação aguda e com intensidade progressiva, que não melhora com analgésicos comuns;
  2. Piora funcional, pois os sintomas dificultam a movimentação dos membros;
  3. Edema e hiperemia, presentes nos locais dolorosos; e
  4. Febre, geralmente elevada, acima de 39ºC e que não cede facilmente com antitérmicos. 

Já a osteomielite crônica causa dor óssea intermitente e sensibilidade local

Diagnóstico da osteomielite

No quadro sugestivo de osteomielite aguda, o paciente deve ser internado, para que a investigação seja mais rápida. Os exames complementares necessários para investigação diagnóstica são:

  1. Hemograma: apresenta leucocitose nos primeiros dias da doença e ao longo da evolução pode surgir desvio à esquerda e anemia;
  2. Velocidade de hemossedimentação e Proteína C Reativa: elevadas desde o início;
  3. Hemocultura: pode ser positiva em cerca de metade dos casos;
  4. Cultura e antibiograma: o material deve ser coletado do local da infecção, por punção;
  5. Radiografia: nos primeiros dias pode não haver alterações ósseas visíveis, entretanto, com o descolamento do periósteo, ocorre neoformação óssea, cujo achado característico na radiologia é a periostite. 

Na osteomielite crônica, há história anterior compatível com osteomielite aguda. Normalmente, basta a radiografia para concluir esse diagnóstico, pois há periostite, invasão de partes moles e desmineralização óssea.

Tratamento da osteomielite

A osteomielite aguda deve ser tratada com a punção local com a subsequente drenagem cirúrgica do pus. Os tecidos necrosados devem também ser retirados cirurgicamente. Logo após a coleta dos materiais para cultura e antibiograma, deve ser instituída antibioticoterapia.

Em crianças, após o período neonatal, e adultos, a escolha empírica é o uso de oxacilina associada à cefalosporina de terceira geração, por via endovenosa. Em recém-nascidos, substitui-se a cefalosporina por aminoglicosídeo. Caso a infecção seja causada por Staphylococcus aureus resistente à meticilina, pode-se utilizar vancomicina ou clindamicina. Devemos destacar também a maior incidência de osteomielite por Salmonella spp. em pacientes com doença falciforme.

A osteomielite crônica pode ser tratada com a ressecção de todas as partes moles necrosadas e excisão cirúrgica de fragmentos de osso sequestrado, além de curetar extremidades vasculares comprometidas. A antibioticoterapia deve ser escolhida de acordo com a cultura e antibiograma da secreção local e geralmente é de longa duração.

Se você está se preparando para as provas de residência de todo o Brasil, o Estratégia MED é seu melhor aliado! Na plataforma você tem acesso a aulas, materiais atualizados e milhares de questões para estudar para os exames mais concorridos! Clique no banner abaixo para mais informações!

Seleção de artigos EMED:

Referências bibliográficas:

  • MSD Manuals –  Osteomielite
  • Ortopedia e traumatologia : princípios e prática [recurso eletrônico] / [Organizadores] Sizínio K. Hebert … [et al.]. – 5. ed. – Porto Alegre : Artmed, 2017.
Você pode gostar também