Vaginose Citolítica: o que é, sintomas e muito mais!

Vaginose Citolítica: o que é, sintomas e muito mais!

Muito provavelmente você já deve ter ouvido falar sobre Vaginose Citolítica e ficou na dúvida como que podemos diferenciá-la de Candidíase e de outras vulvovaginites. Então acompanhe este texto que o Estratégia MED preparou e descubra o que você precisa saber sobre Vaginose Citolítica!

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

O que é vaginose citolítica?

A vaginose citolítica ocorre devido à proliferação exacerbada de Lactobacillus, que estão presentes na flora vaginal normal. Assim como o estrógeno, essas bactérias são responsáveis por manter o pH vaginal mais ácido, próximo a 4-4,5.

Além disso, é uma das causas menos frequentes de vaginites, e provoca sintomas semelhantes aos da Candidíase. Seu diagnóstico se dá através da exclusão de outras causas de corrimento (leucorreia), principalmente as causadas por Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Nesta patologia, há uma produção de ácido em excesso, irritação na vagina, devido à alteração do pH vaginal e citólise. De acordo com o histórico da paciente, podemos verificar múltiplos tratamentos para candidíase e outras vulvovaginites, mas que não apresentam melhora.

Como se forma a flora vaginal normal?

Para manter o ambiente vaginal adequado os Lactobacillus utilizam a glicose proveniente da metabolização do glicogênio para formação de ácido lático. Esse glicogênio é depositado nas células epiteliais e associada à ação do estrogênio, permitindo essa conversão.

Vale ressaltar que os Lactobacillus, em pequenas quantidades, são fatores protetores ao desenvolvimento de candidíase. Essas bactérias evitam a adesão da Candida ao epitélio vaginal. Entretanto, em pacientes com diabetes pode ser que ocorra um aumento de Lactobacillus, devido a maior concentração de glicose na vagina.

Quais os sintomas de Vaginose Citolítica?

Geralmente, quando associada aos sintomas de: disúria (dor ao urinar), dispareunia (dor na relação sexual), prurido (coceira) em região genital. Muitas vezes os sintomas aparecem principalmente na fase lútea.

Sintomas como queimação, edema e/ou eritema, pode ser que haja a presença de outros patógenos juntamente aos Lactobacillus, caracterizando sintomas de duas vaginites distintas, já que na maioria das vezes a vaginose citolítica não apresenta esse quadro.

Vale ressaltar que os sintomas não estão tão relacionados ao diagnóstico, sendo necessários o exame físico e avaliação.

Quais as características do corrimento Vaginose Citolítica?

  • Coloração esbranquiçada;
  • Consistência homogênea e pegajoso; e
  • pH entre 3,5 e 5.

Diagnóstico

O diagnóstico de vaginose citolítica pode ser feito através da exclusão de outras causas de vaginites, como Trichomonas, Gardnerella ou Candida no esfregaço úmido. Não somente isso, mas também o quadro clínico deve ser sugestivo, com associação entre os sinais e sintomas, como a presença de corrimento e prurido, como abordado anteriormente.

Pode-se ainda utilizar como diagnóstico os seguintes achados: aumento do número de Lactobacillus; redução do número de leucócitos; evidência histológica de citólise; e ainda pH entre 3,5 e 4,5. 

Diagnóstico Diferencial

Candidíase é o principal diagnóstico diferencial, mas também podemos ter:

  • Tricomoníase;
  • Clamídia;
  • Gonorreia;
  • Vaginite atrófica;
  • Vaginite inflamatória descamativa; e
  • Outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)

Qual o tratamento?

O tratamento para a vaginose citolítica deve se basear na redução do número de Lactobacillus e elevação do pH vaginal. Alguns autores ainda indicam a ducha vaginal com bicarbonato de sódio, ou supositório vaginal. 

A preparação da ducha pode ser feita misturando 1 a 2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio, com 4 xícaras de água morna. A frequência do tratamento com a ducha deve ser realizada 2 vezes na semana, a cada 2 semanas.

Segundo a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) o tratamento pode ser feito através do alívio de sintomas com o uso de creme vaginal com tampão de borato (pH 8), por 10 dias, e posteriormente, 2 vezes na semana, por 2 meses seguidos.

Diferenças entre Vaginose citolítica e Candidíase?

Podemos diferenciar a Vaginose Citolítica da Candidíase através dos seguintes sinais e sintomas:

Vaginose CitolíticaCandidíase
Prurido (coceira);Prurido intenso;
Queimação em região vaginal;Edema de vulva; Hiperemia de mucosa;
Dispareunia (dor na relação sexual de penetração);Dispareunia de introito;
Dor para urinar terminal;Sem odor;
Corrimento esbranquiçado abundante (piora na fase lútea)Secreção vaginal branca, grumosa aderida à parede vaginal e ao colo do útero;

Além disso, os agentes etiológicos são distintos, sendo o da Vaginose os Lactobacillus ou Citólise de Doderlein e da Candidíase as Candidas spp. E a mais frequente é a Candida albicans.

Ambas as patologias apresentam uma piora da sintomatologia quando no período pré-menstrual, e o diagnóstico diferencial deve ser realizado na pesquisa do fungo.

Estudar por Questões 

Agora que você já leu sobre Vaginose Citolítica e sabe o diferenciar de Candidíase, não deixe de conferir o nosso Banco de Questões MED! Nele você consegue treinar e se preparar para a prova de Residência Médica estudando por meio de milhares de questões cadastradas! Você não pode perder essa oportunidade! Além disso, continue no nosso blog  e descubra mais temas do universo da medicina!

Curso Extensivo Residência Médica

Veja também:

Conheça nossos cursos

Por: Caterina Germino

Você pode gostar também