ResuMED de Pancreatite Aguda: manifestações clínicas, diagnósticos e mais!

ResuMED de Pancreatite Aguda: manifestações clínicas, diagnósticos e mais!

Como vai, futuro Residente? As questões sobre pancreatite aguda podem ser bastantes frequente em suas provas. Por isso, nós do Estratégia MED preparamos um resumo exclusivo com tudo o que você precisa saber sobre as principais patologias do assunto para suas provas de Residência Médica. Para saber mais, continue a leitura, bons estudos!

Patogenia

Não se sabe realmente como ocorre fisiologicamente essa inflamação, mas acredita-se que seja devido a uma autodigestão enzimática do órgão que gere tal repercussão. Essa autodigestão pode ser motivada por alguma obstrução, como a presença de cálculos, mais comuns em vias biliares. Mais especificamente do ducto maior que se denomina “Ampola de Vater”. 

Etiologia

Assim como falamos anteriormente em uma causa indireta para ocasionar a inflamação, temos a causa direta que é o álcool, gerando um processo inflamatório crônico. Entretanto, a principal causa da pancreatite aguda é a litíase biliar. Isso é questão de prova, atente-se! Triglicerídeos > 500 já fiquem em  alerta, pois se torna um fator de risco para a litíase biliar.

Manifestações Clínicas

TÍPICO – dor abdominal no andar superior do abdômen (epigástrica), no geral em barra, pode irradiar para as costas e é acompanhada de náuseas e vômitos. Importante que esse vômito não é motivado pela dor e sim, faz parte do quadro clínico. 

dois sinais característicos de uma hemorragia onde é visto algumas vezes na prática, principalmente na pancreatite grave, mas são muito cobrados em prova:

  • Sinal de Cullen – “c” de central, ou seja, hemorragia periumbilical.
  • Sinal de Grey-Turner – hemorragia em flancos.

Desencadeados por um sangramento do parênquima, onde há necrose de algumas áreas e tal sangramento se dissemina para o retroperitônio e assim manifesta nos flancos do paciente, evidenciando tais eventos. Importante dizer que são sinais típicos, mas não patognomônicos

Diagnóstico

  • Clínica + amilase/lipase (acima 3x valor de referência) + TC de abdômen (não é obrigatório).

A lipase é mais sensível porque temos várias outras causas de amilasemia, como obstrução intestinal, isquemia mesentérica, caxumba, entre outros. Fora isso, o valor da lipase se mantém por mais tempo, ou seja, nos direciona melhor quando formos ler o exame laboratorial.

Sendo necessário o exame de imagem, preconiza-se ser requisitado após 72h do processo inflamatório para que seja melhor avaliado. TC é solicitado em casos graves ou dúvida diagnóstica.

Abordagem

Existem alguns critérios que são usados na prática e não caem tanto em prova e outros que estão presentes em provas, mas não são praticamente utilizados na prática.

Os que são cobrados em prova:

  • Critérios de Ranson > 3, o paciente possui uma pancreatite grave e faz-se necessário a solicitação do exame de imagem.

Um macete para fixar é gravar duas palavras, pois cada letra significa um critério. “LEGAL, FECHOU”:

  • L – leucocitose > 16 – 18.000/mm3
  • E – enzima hepática (TGO/AST) > 250 UI/L
  • G – glicose > 200 – 220 mg/dL
  • A – age (idade) > 55 – 70 anos
  • L – LDH > 350 – 400 UI/L
  • F – fluidos perdidos > 6 – 4 litros
  • E – excesso de base mais negativo que -4/-5
  • C – cálcio < 8 mg/dL
  • H – hematócrito reduzido > 10% (pós hidratação)
  • O – oxigênio (PaO2) < 60 mmHg – não avaliado
  • U – ureia > 10 – 4 mg/dL

O primeiro valor é referência para a pancreatite não biliar e o segundo valor é referência para a pancreatite biliar.

O LEGAL são exames solicitados da ADMISSÃO do paciente e o FECHOU são ações solicitadas após 48h.

Os que são mais usados na prática:

  • Atlanta (1 critério +, paciente é grave)
    • Disfunção orgânica (choque, insuficiência ou hemorragia);
    • Complicação local (necrose, pseudocisto ou abscesso); e
    • Complicação sistêmica (CIVD).

Detalhe importante! Amilase e lipase não entra em score desses critérios de prognóstico abordados acima.

Outro parâmetro importante que classifica como um caso grave é o PCR (proteína C reativa) > 150 mg/dL. Valor que se mantém elevado após 48h.

Tratamento

TRÍADE BÁSICA: DIETA ZERO + ANALGESIA + HIDRATAÇÃO (+ correção eletrolítica).

  1. Internação hospitalar ou UTI (se grave);

Vale a pena passar uma sonda nasogástrica nesses pacientes devido à frequência de vômitos, ou seja, estarão mais susceptíveis a broncoaspirar. O objetivo principal é evitar broncoaspirar e não diminuir as náuseas.

Se a pancreatite biliar for GRAVE se pensa em Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) nas primeiras 48h + SUPORTE NUTRICIONAL após 72h. É necessário avaliar bem o caso, pois a CPRE é um exame invasivo. Normalmente, é feito quando identificado uma colangite ou uma icterícia persistente

Atenção também a medida de suporte nutricional. Note que na pancreatite leve a dieta é zero, diferente da pancreatite grave, pois se torna um quadro onde o paciente se “arrasta” na sua evolução, pois o catabolismo é intenso. Dessa forma, é necessário um aporte nutricional intenso. O ideal dessa nutrição é a enteral por sonda nasoentérica, a nível do pâncreas do paciente. Caso não esteja funcionando bem a função gastrointestinal, podemos pensar na nutrição por via paraenteral.

Antes da alta hospitalar e após tratar a inflamação = Colecistectomia.

Nova atualizações

Em relação a colecistectomia, o paciente com pancreatite leve se preconiza optar pela cirurgia após o tratamento da inflamação. Entretanto, no paciente grave, se assume o risco em dar alta a ele para só então após umas 4 a 6 semanas realizar o procedimento cirúrgico, devido a seu estado geral.

Não faz antibiótico se não houver complicações.

Complicações

Locais:

  • Coleção fluida peripancreática aguda;
  • Pseudocisto pancreático;
  • Coleção necrótica aguda; e
  • Coleção pós-necrótica aguda ou walled-off.

Quando desconfiar de uma pancreatite aguda?

  • Persistência ou recorrência da dor abdominal;
  • Novo aumento nos níveis séricos das enzimas pancreáticas (amilase e lipase);
  • Piora da disfunção orgânica; e
  • Piora clínica do doente: sinais de sepse, como febre, leucocitose etc.

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de fazer parte do time Estratégia MED acessando a nossa plataforma! Lá você encontra tudo o que precisa sobre diversos temas para as provas de Residência Médica, com acesso à videoaulas, resumos, materiais, simulados, bancos de questões e muito mais exclusivamente para você, futuro Residente! Não deixe de conferir!

Não se esqueça de compartilhar com um amigo futuro residente também. Afinal, quem estuda junto, passa junto! 

Você pode gostar também