ResuMED de Tumores Oculares Malignos: características, manifestações clínicas e mais!

ResuMED de Tumores Oculares Malignos: características, manifestações clínicas e mais!

Fala, futuro Residente! Apesar da baixa incidência nas provas, tumores oculares malignos é um tema que você não pode deixar de gabaritar. Isso, principalmente, quando sabemos que a maioria das questões se referem a um tumor específico, o retinoblastoma. Inclusive, recentemente, foi revelado que a filha de 1 ano do apresentador Tiago Leifert é portadora da patologia citada. Então, garanta a objetividade na resolução das questões e segurança sobre o assunto com o texto abaixo.

Características Gerais

Os tumores oculares malignos são divididos em dois grandes grupos, os intraoculares e os das pálpebras. O retinoblastoma, o mais cobrado em prova, trata-se de um tumor intraocular.

Tumores Malignos Intraoculares

Como dito na apresentação deste texto, o RETINOBLASTOMA é o tumor mais cobrado nas provas. Sendo assim, vamos expor suas principais características: é o tumor primário mais comum na infância, independe do sexo e pode ser tanto hereditário quanto não hereditário. O primeiro se manifesta bilateralmente enquanto o segundo se manifesta unilateralmente e não apresenta predisposição a neoplasias secundárias não oculares.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Retinoblastoma

As manifestações clínicas mais comuns e características do retinoblastoma, são:

  1. Leucocoria (reflexo branco pupilar) – é um reflexo comparado ao “olho de gato” nas questões. Nessa faixa etária, uma das principais causas de leucocoria é a catarata congênita
  2. Estrabismo.

Existem outras apresentações, como o glaucoma secundário, que podem estar associadas a buftalmo e a hiperemia conjuntival associado a uveíte. Entretanto, estes não são tão característicos quando os dois primeiros citados. 

Na abordagem diagnóstica, o reflexo vermelho deve ser usado como rastreio, pois qualquer assimetria indica um exame completo com dilatação pupilar e o acompanhamento imediato com oftalmologista. O tratamento é definido de acordo com o tamanho do tumor e, independente da classificação, vai ser indicada a quimioterapia.

Importante saber que novos tumores podem se desenvolver em pacientes com retinoblastoma hereditário, especialmente aqueles tratados muito jovens. O acompanhamento até 3 anos de idade é a cada 2 – 8 semanas e, após essa idade, deve ser feito a cada 6 meses até os 5 anos e, anualmente, até os 10 anos.

Curiosidade! Recentemente, foi revelado que a filha do apresentador Tiago Leifert, Lua, de 1 ano de idade, é portadora de tal patologia. Segundo as notícias, a pequena já realizou quatro sessões de quimioterapia. É um caso não tão comum, mas que precisamos estar atentos para saber conduzir e, em relação à nossa prova, devido a esse fato, há maiores chances de estar nos exames.

Melanoma de coróide

É outro tumor intraocular primário e mais comum nos adultos, normalmente acometendo pacientes acima de 50 anos, sendo sua apresentação, em maior grau, unilateral. Pode ser assintomático e periférico ou causando perda de visão, embaçamento, metamorfopsia (turvação), perda de campo visual e fotopsias (sensação de flash’s luminosos). Se não for detectado precocemente, o tumor pode assumir um padrão de disseminação metastática hematogênica para o fígado e, como consequência, outros órgãos. O objetivo do tratamento é impedir o desenvolvimento de dor e evitar perda total da visão, entretanto se o tumor é de crescimento lento e unilateral ou cronicamente doente, não é necessário tal tratamento.

Carcinoma Metastático

Os carcinomas representam a maioria das metástases para a úvea. As metástases não têm preferência por sexo, sendo homens e mulheres igualmente afetados. Nas mulheres, aproximadamente 75% das metástases têm a mama como sítio primário. Nos homens, o principal sítio primário é o pulmão. É importante dizer que as metástases constituem a principal causa de tumores malignos do olho e da órbita. 

Em relação ao diagnóstico, faz-se necessário a solicitação do exame oftalmológico completo, incluindo acuidade visual, biomicroscopia, tonometria e fundoscopia a fim de excluir os diagnósticos diferenciais como nevus de coroide.

Tumores Malignos das Pálpebras

São tumores menos frequentes na população em geral, possuem, basicamente, os mesmos fatores de risco e sua abordagem diagnóstica podem ser divididas em:

  • Verificar se houve crescimento rápido e se tinha lesões cutâneas prévias;
  • Exame externo das pálpebras para avaliar outras alterações e os linfonodos;
  • Biomicroscopia sob lâmpada de fenda com eversão das pálpebras;
  • Fotografar a lesão; e
  • Biópsia para confirmação histopatológica.

O aspecto que pode ser avaliado na anamnese e desconfiar de tal patologia é uma nodulação pálpebra assintomática ou com uma leve irritação.

Carcinoma de células basais ou Carcinoma basocelular

É o tumor maligno mais comum das pálpebras. Apresenta crescimento lento e não possui disseminação metastática. Geralmente, se manifesta na pálpebra inferior ou no canto medial de idosos e pode ser localmente agressivo. Os fatores de risco são pele clara e exposição crônica ao sol e seu tratamento baseia-se, geralmente, na excisão cirúrgica com avaliação das margens do tumor.

Carcinoma de células escamosas

Tumor bem mais agressivo que o basocular e, felizmente, menos frequente, apresentando metástase para os linfonodos regionais. Sua manifestação é mais comum na pálpebra superior em pacientes de meia-idade e idosos, podendo envolver pálpebra superior e inferior (multifocal), bem como, apresentar hiperceratose. Faz-se necessário fazer diagnóstico diferencial com blefarite e calázio.

Os fatores de risco são similares ao basocecular e o tratamento também é cirúrgico, necessitando realizar a retirada do tumor bem como reconstruir a pálpebra acometida, muitas vezes. 

Carcinoma de células sebáceas

Tumor bem mais agressivo que o basocular e, felizmente, menos frequente, apresentando metástase para os linfonodos regionais. Sua manifestação é mais comum na pálpebra superior em pacientes de meia idade e idosos, e pode apresentar hiperceratose. Com o desenvolvimento do tumor, a pele que recobre a pálpebra tende a se tornar espessa, havendo perda dos cílios e a visão ficar distorcida. O diagnóstico diferencial com blefarite e calázio.

Os fatores de risco que podem contribuir é a exposição ao sol e o enfraquecimento do sitema imunológico. Além disso, a genética é outra causa possível da doença, pois pacientes que desenvolvem síndrome de Muir-Torre, uma rara doença genética que deixa os pacientes mais propensos a variados tipos de câncer. o tratamento padrão para esse tipo de câncer é por meio da cirurgia micrográfica de Mohs, resultando em menor taxa de mortalidade e recorrência da doença do que a cirurgia convencional. Como todo e qualquer tumor é indicado realizar a biópsia, nesse caso, da conjuntiva bulbar e palpebral, e ter avaliação com o oncologista. 

Melanoma

É o tumor maligno conjuntival pigmentado que corresponde a 2% dos tumores malignos oculares, sendo o primário o mais comum e pode surgir a partir de um nevus pré-existente. Em relação a sua manifestação clínica, o local comum de sinal é o limbo e seu pior prognóstico são nos tumores envolvendo a carúncula, conjuntiva palpebral e fórnice, multifocais, maiores que 2 mm, recorrentes ou com disseminação linfática ou orbitária. O diagnóstico, além da anamnese e assim como a maioria dos tumores é feito diante o exame oftalmológico completo. A excisão das lesões juntamente com a radioterapia e a crioterapia são opções de tratamento.

Deu para dar uma refrescada no assunto sorbe Tumores oculares malignos? Ficou alguma dúvida ou quer conteúdos mais aprofundados sobre os mais variados assuntos? Venha fazer parte do Estratégia MED! O time dispõe dos mais diversos cursos e de acordo com o seu tempo. 

Não deixe de acompanhar nosso portal e se mantenha atualizado!

Curso Extensivo Residência Médica

Veja também:

Você pode gostar também
Leia mais

ResuMED de doenças da cartilagem

No capítulo de hoje iremos explorar as doenças da cartilagem. Dentro da reumatologia, esses temas são de elevada…