Cirurgia na prova prática do Revalida INEP
Pexels | Estratégia MED

Cirurgia na prova prática do Revalida INEP

Popularmente conhecida como prova prática, o Exame de Habilidades Clínicas é parte fundamental do processo de revalidação de diplomas em medicina aplicado pelo INEP, o Revalida.

Por ser uma etapa que conta com supervisão presencial e comunicação direta com pessoas orientadas pela banca examinadora, é comum os participantes ficarem apreensivos e inseguros. Por isso, o Estratégia MED mostrará que é possível mandar bem no exame com tranquilidade, detalhando o que você precisa saber para superar os problemas recentes da prova e alcançar uma nota inquestionável e assim, a revalidação de seu diploma em medicina no Brasil.

A Prova Prática

Sob responsabilidade do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), a prova prática do Revalida é obrigatória para todos os médicos formados no exterior que desejam revalidar seu diploma por uma das instituições credenciadas e exercer a profissão no Brasil.

Aplicada geralmente durante um fim de semana, a avaliação é composta por 10 estações práticas distribuídas igualmente entre as cinco grandes áreas médicas:

  • Clínica Médica;
  • Cirurgia;
  • Ginecologia e Obstetrícia;
  • Pediatria; e
  • Medicina de Família e Comunidade.

Nesta etapa, os candidatos inscritos são avaliados por itens desenvolvidos pela Comissão Assessora de Avaliação da Formação Médica (CAAFM) e ao atingirem a nota de corte estabelecida para a sua edição, são considerados aptos a prosseguirem com a revalidação do diploma.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Integrantes da CAAFM em Cirurgia

Por meio da publicação da Portaria nº 9, de 11 de janeiro de 2024, homologada e publicada no dia 15 de janeiro de 2024, define a equipe designada à CAAFM. No total, vinte e seis integrantes para exercício dos trabalhos relativos às edições do Revalida de 2023 e 2024.

Dentre as atividades atribuídas, os integrantes desta comissão são responsáveis pela elaboração e revisão das estações que compõem a prova prática, aprovação dos Padrões Esperados de Procedimentos (PEPs) da avaliação e elaboração de protocolos de orientação a serem adotados pelos Hospitais Universitários credenciados para a realização da etapa.

E atualmente, para a especialidade de Cirurgia, três integrantes fazem parte da comissão e, conhecer suas áreas de atuação e linhas de pesquisas pode fazer a diferença na hora de se preparar para a avaliação. São eles: 

  • Andrea Pedrosa Ribeiro Alves Oliveira: médica e especialista em Cirurgia Geral e Videolaparoscopia pela Universidade de Brasília (UnB), é atualmente a responsável técnica do serviço de Cirurgia Geral do Hospital Universitário da instituição. Com ampla experiência na especialidade, com ênfase em Cirurgia do Aparelho Digestivo, teve como tema de Doutorado “Avaliação tardia de pacientes com Megaesôfago Chagásico operados pela técnica Thal-Hatafuku modificada”. Além de pesquisar sobre câncer gástrico no projeto de pesquisa de análise do perfil de pacientes operados por câncer gástrico no Hospital UnB.
  • Ieda Franscischetti: formada em medicina pela Faculdade de Medicina de Marília (FAMEMA), com pós-doutorado em educação médica e avaliação da prática profissional em currículo baseado em competência na Charité Universitätsmedizin – Berlin. Sua primeira especialização médica foi em Cirurgia Geral seguida por Cirurgia Torácica. Desde 2017, desempenha o papel de coordenadora do projeto de pesquisa que investiga a relação entre os cuidados e a orientação preventiva nos vários níveis de atenção à saúde, analisando a evolução do pé diabético em pacientes do SUS atendidos no Complexo Hospitalar da FAMEMA. Na área de Cirurgia Experimental, sua atuação concentra-se principalmente em temas como perfusão pulmonar, isquemia-reperfusão de órgãos e transplante pulmonar. Atualmente é Chefe de Gabinete da Diretoria Geral da Famema.
  • Raquel Kelner Silveira: graduada em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), também se tornou especialista em Cirurgia Geral e logo em seguida em Cirurgia Gastroenterológica pela mesma instituição. Como membro titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, atua na área com ênfase em câncer colorretal e HPV anal. Além de ter ministrado disciplinas sobre fisiologia da evacuação e constipação intestinal no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira, IMIP, Brasil.
  • Paulo Luiz Batista Nogueira: graduado em medicina pela Universidade de Marília (UNIMAR), tornou-se primeiramente especialista em Cirurgia, Nutrição e Metabolismo pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e em seguida em Cirurgia Pediátrica pela Universidade de São Paulo (USP). Além de possuir Mestrado em Ciências da Saúde e título em validação do modelo experimental de gastrosquise e influência da dieta materna enriquecida com glutamina na morfologia fetal. Atualmente, além de atuar como professor, médico plantonista e cirurgião pediátrico, Paulo também é médico legista pela Polícia Civil de Rondônia.
  • Ricardo André Viana Barros: formado em medicina pela Universidade Federal do Maranhão. Ele possui especialização em Ecografia Vascular e Cirurgia Endovascular, além de ter obtido o título de Mestre em Ciências Genômicas e Biotecnologia. É membro pleno da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) e atua como preceptor na residência em cirurgia vascular do HBDF. Anteriormente, desempenhou o papel de professor substituto na disciplina Bases da Cirurgia na UnB. Atualmente, exerce a função de cirurgião vascular no HUB/UnB e no Hospital de Base do Distrito Federal.

Estações de Cirurgia nas últimas edições

Com a distribuição igualitária de estações pelas especialidades cobradas na etapa, Cirurgia conta com duas estações aplicadas em cada edição. Nelas, atendimentos comumente vistos no dia a dia da área são apresentados e os participantes precisam se atentar às situações, fazer perguntas, solicitar exames, diagnosticar e indicar tratamentos.

Confira abaixo o cenário de atuação indicado, descrição de cada caso, quais pedidos foram considerados adequados nas estações de Cirurgia nas duas últimas edições do Revalida:

Revalida 2023.1

Estação 2 – Área: Cirurgia

  • Cenário de atuação: Atenção Terciária – emergência geral. Unidade possui aparelho para radiografias, ultrassonografia e tomografia, ecocardiografia, laboratório de análises clínicas, leitos de enfermaria, bloco cirúrgico, unidade de terapia intensiva.
  • Descrição do caso: homem de 30 anos de idade, servente, procura atendimento devido a febre no sétimo dia de pós-operatório de apendicectomia realizada em hospital de cidade no interior de Minas Gerais.
  • Tarefas necessárias: realizar anamnese do paciente, solicitar e interpretar exame físico, estabelecer e comunicar as principais hipóteses diagnósticas antes da solicitação de exames complementares, verbalizar o diagnóstico definitivo.

Estação 7 – Área: Cirurgia

  • Cenário de atuação: Atenção Secundária — Unidade de Pronto Atendimento. Unidade possui aparelho de raio-x, ultrassonografia e laboratório de análises clínicas.
  • Descrição do caso: homem, 21 anos, estudante, procura atendimento na unidade queixando-se de dor testicular à direita.
  • Tarefas necessárias: realizar anamnese do paciente, solicitar e interpretar exame físico, estabelecer e comunicar as principais hipóteses diagnósticas, solicitar exames complementares, estabelecer e comunicar o diagnóstico definitivo e propor a terapêutica definitiva para o caso.

Revalida 2023.2

Estação 2 – Área: Cirurgia

  • Cenário de atuação: Unidade de Atenção Terciária — Emergência Geral. Unidade possui setor de diagnóstico por imagem, laboratório de análises clínicas, banco de sangue, leitos de internação e, centro cirúrgico e unidade de tratamento intensivo.
  • Descrição do caso: paciente de 30 anos de idade que apresenta dor abdominal.
  • Tarefas necessárias: realizar anamnese, solicitar o exame físico, solicitar e interpretar os eames laboratoriais e outros exames complementares pertinentes ao caso, verbalizar a hipótese diagnóstica definitva do caso explicando como chegou a ela e verbalizar a conduta terapêutica necessária.

Estação 7 – Área: Cirurgia

  • Cenário de atuação: Unidade de Pronto Atendimento — sala para pequenos procedimentos. Unidade possui urgência clínica e cirúrgica de baixa complexidade.
  • Descrição do caso: homem de 20 anos de idade, mecânico, que procura atendimento devido a um ferimento provocado por caco de vidro em antebraço direito
  • Tarefas necessárias: realizar atendimento ao paciente, descrever as características da lesão, utilizar o material apropriado para a sutura, realizar a sutura da lesão e orientar paciente sobre os cuidados após o procedimento.

Passo a Passo da Prova Prática

A prova prática do Revalida INEP tem nota máxima de 100 pontos – 10 pontos para cada estação aplicada, e acontece durante dois dias: são cinco estações no primeiro dia e outras cinco no segundo. Para cada uma delas, os participantes contarão com a presença de um chefe de estação que tem como objetivo supervisionar e garantir as condições para a execução da avaliação. 

Obs: O uso de jaleco durante toda a prova prática é obrigatório.

Em todas as estações haverá a apresentação do cenário de atuação, que conta com o local onde o atendimento fictício está sendo realizado, a infraestrutura disponível e a descrição do caso, que geralmente conta com sexo do paciente, idade e suas queixas/sintomas.

A partir destas informações, o candidato terá 10 minutos para realizar a anamnese, solicitar a apresentação das informações do exame físico e/ou complementares, decidir se há a necessidade de investigação complementar dependendo do caso, apresentar o diagnóstico e elaborar um plano terapêutico. Caso tenha algum outro item de desempenho a ser avaliado, como orientação em mudanças de hábitos, este será apresentado nas instruções de cada estação presentes no material entregue para orientação.

A contagem dos 10 minutos estipulados para a realização de cada estação será informada a partir de um sinal sonoro, ou seja, este sinal será tocado ao início de cada estação, assim como no término para seguimento à próxima.

A avaliação das estações será feita por um médico avaliador a partir de filmagens realizadas durante a aplicação da prova e deverá seguir o Padrão Esperado de Procedimentos (PEP) estabelecido pela CAAFM. Este documento, que serve como gabarito da etapa e dispõe todos os itens a serem avaliados, assim como a pontuação de cada um.

3 temas mais cobrados em Cirurgia no Revalida INEP

Para te ajudar na reta final, o Estratégia MED preparou um infográfico com os 3 temas mais cobrados em Cirurgia nas prova do Revalida INEP e que pode fazer toda a diferença na sua preparação

E que tal se preparar para essa etapa com o time que aprovou milhares de candidatos nos últimos dois anos? Com o Curso Prova Prática você terá à disposição dicas e mais de 50 estações práticas exclusivas com simulações reais do cenário de prova, checklists para treinar com amigos e familiares, conselhos e muito mais. Vem ser coruja!

Banner CTA EMED
Você pode gostar também