Resumo de Mancha Mongólica: conceito, tratamento e mais!

Resumo de Mancha Mongólica: conceito, tratamento e mais!

Olá, meu Doutor e minha Doutora! As manchas mongólicas são marcas de nascenças comuns em recém-nascidos. Recebe esse nome, pois a mancha mongólica foi inicialmente observada com mais frequência em bebês de ascendência asiática, especialmente entre as populações mongóis. 

Vem com o Estratégia MED entender como diagnosticamos e tratamos o recém-nascido que apresente mancha mongólicas!  

O que é a Mancha Mongólica  

A mancha mongólica, também conhecida como melanocitose dérmica congênita, são as marcas de nascença mais comuns em recém-nascidos. Apresenta-se como máculas esverdeadas-azuladas a acinzentadas, particularmente na área lombossacral e, devido à sua cor, podem ser confundidos com hematomas, principalmente quando localizados em partes do corpo como a região posterior das coxas, dorso ou ombros. 

Manchas mongólicas em recém-nascido. UpToDate

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Epidemiologia e Fatores de Risco da Mancha Mongólica 

A melanocitose dérmica congênita é uma condição de pele geralmente inofensiva e não está associada a muitos fatores de risco conhecidos. No entanto, alguns fatores podem influenciar a presença ou a aparência da mancha mongólica em certos casos: 

  • Origem étnica: a mancha mongólica é mais comum em bebês de ascendência asiática, especialmente entre populações mongóis, chinesas e japonesas. Isso não significa que não possa ocorrer em outras origens étnicas, mas a prevalência pode variar;
  • Pigmentação da pele: bebês com pele mais escura podem ter manchas mongólicas mais evidentes devido à diferença de contraste. No entanto, pode ocorrer em qualquer tom de pele; 
  • Fatores genéticos: embora não seja hereditária, a predisposição genética pode influenciar sua ocorrência em certos grupos familiares; e
  • Idade: geralmente está presente ao nascimento e geralmente desaparece durante o primeiro ou segundo ano de vida. No entanto, aproximadamente 3% permanecem na idade adulta, particularmente aqueles em locais extrassacros.

Fisiopatologia da Mancha Mongólica 

As lesões estão relacionadas à presença de células pigmentadas chamadas melanócitos na pele. A pigmentação da pele é regulada pela produção de melanina pelos melanócitos. Na mancha mongólica, há uma concentração maior de melanócitos na pele, resultando em uma área de pigmentação mais escura.

A área sacral e as nádegas mediais são os locais mais comuns onde os melanócitos dérmicos ativos frequentemente permanecem ao nascimento, mas também podem ser vistos em locais extrassacrais (por exemplo, tronco superior ou anterior e extremidades). A biópsia, raramente indicada, mostra melanócitos dérmicos amplamente espaçados na derme profunda.

Quadro Clínico da Mancha Mongólica 

O quadro clínico da mancha mongólica é geralmente simples e caracterizado por uma marca de nascença de cor azulada ou acinzentada, plana e irregular, que aparece principalmente na região lombar ou nas nádegas. Aqui estão alguns aspectos importantes do quadro clínico: 

  • Cor e aparência: a mancha mongólica é uma área de pigmentação mais escura na pele, variando de azulada a acinzentada. Pode ser irregular em forma e não tem uma borda definida; 
  • Localização: é comumente encontrada na região lombar, nas nádegas ou na parte inferior da coluna vertebral. Pode aparecer em um ou ambos os lados do corpo; 
  • Tamanho e forma: o tamanho da mancha pode variar, e ela pode ter uma forma irregular.
  • Início: geralmente presente ao nascimento, embora possa se tornar mais evidente nos primeiros meses de vida; e
  • Desaparecimento com o tempo: em muitos casos, a mancha mongólica tende a diminuir de intensidade ao longo do tempo e frequentemente desaparece completamente à medida que a criança cresce.
Manchas mongólicas em criança. Medscape

Diagnóstico da Mancha Mongólica 

O diagnóstico é geralmente clínico, baseado na observação visual da marca de nascença. O histórico médico do paciente também é considerado, incluindo informações sobre qualquer histórico familiar de manchas mongólicas ou condições de pele semelhantes.

A mancha mongólica deve ser distinguida de outras formas de aumento dos melanócitos dérmicos que não desaparecem, como nevos azuis, nevo de Ota ou nevo de Ito. Devido à sua cor, podem ser confundidos com hematomas e pode ser um desafio para um examinador diferenciar entre mancha mongólica ou abuso infantil

Tratamento da Mancha Mongólica

O tratamento geralmente não é necessário, uma vez que esta condição não representa um risco significativo à saúde da criança. Os médicos frequentemente recomendam acompanhamento regular com um pediatra para monitorar o desenvolvimento da marca de nascença ao longo do tempo. Essa abordagem permite observar se a melanocitose dérmica congênita diminui de intensidade, o que é comum à medida que a criança cresce.

Venha fazer parte da maior plataforma de Medicina do Brasil! O Estrategia MED possui os materiais mais atualizados e cursos ministrados por especialistas na área. Não perca a oportunidade de elevar seus estudos, inscreva-se agora e comece a construir um caminho de excelência na medicina! 

Curso Extensivo Residência Médica

Veja também:

Referências Bibliográficas 

  1. Stephen C Boos. Differential diagnosis of suspected child physical abuse.UpToDate, 2022. Disponível em: UpToDate
  1. Erin Mathes & Leah Lalor. Skin lesions in the newborn and infant. UpToDate, 2023. Disponível em: UpToDate
  1. V. Kolbe, D. Boy, A. Büttner, Mongolian Spots – A challenging clinical sign, Forensic Science International, Volume 327, 2021, 110964, ISSN 0379-0738, https://doi.org/10.1016/j.forsciint.2021.110964
Você pode gostar também
Leia mais

Apendicite: tudo sobre!

Quer saber mais sobre a apendicite? O Estratégia MED separou as principais informações sobre o assunto para você.…