Resumo técnico de balanopostite: manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento e mais!

Resumo técnico de balanopostite: manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento e mais!

A balanopostite é uma condição clínica que acomete homens desde a fase infantil até a senil. Pode estar associado a várias causas, sendo as mais comuns infecciosas. Confira os principais aspectos referentes à esta doença, que aparecem nos atendimentos e como são cobrados nas provas de residência médica!

Dicas do Estratégia para provas

Seu tempo é precioso e sabemos disso. Se for muito escasso neste momento, veja abaixo os principais tópicos referentes à balanopostite.

  • A balanopostite é definida como inflamação da glande e do prepúcio.
  • O principal fator causal identificável é a má higiene, principalmente em local de prepúcio.
  • A principal etiologia identificada é infecção por Cândida.
  • Os sinais incluem dor e prurido, associado a lesões eritematosas na glande e/ou no prepúcio.

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Definição da doença

A balanite refere-se a inflamação da glande do pênis e postite é definida como a inflamação do prepúcio. Na prática ambas as áreas são frequentemente afetadas e o termo balanopostite é então usado, embora a balanopostite ocorra apenas em homens não circuncidados, pois, neste caso, o prepúcio não foi retirado. 

Anatomia do pênis humano. Glans = Glande; Foreskin = Prepúpico. Crédito: Wikipedia

Epidemiologia e etiologia de balanopostite

A balanopostite afeta homens de todas as idades e etnias em todo o mundo. A causa mais comum de balanopostite está relacionada à higiene pessoal inadequada em homens não circuncidados. Dos casos com causas identificáveis, a infecção por Candida é a mais comum. 

Porém, pode ser decorrente de agentes físicos como traumas repetidos e dermatite de contato com substâncias irritativas ou alergênicas, além de agentes infecciosos bacterianos e virais. As balanopostites irritantes e infecciosas foram mais comuns entre os pacientes encaminhados a clínicas geniturinárias. 

# Ponto importante: Balanite é incomum em homens circuncidados, pois no desenvolvimento tanto da balanite quanto da balanopostite o prepúcio não é retraído rotineiramente e a glande não é limpa de maneira adequada, gerando o acúmulo de suor, detritos, pele esfoliada e bactérias ou fungos, resultando em inflamação. 

A colonização do pênis por Candida ocorre em 15 a 20% dos homens, mais comum em pessoas diabéticas, em não circuncidados ou nos que têm parceiras com candidíase vaginal recorrente.

Anaeróbios foram relatados como causa importante de balanopostite, com espécies mistas, incluindo Gardnerella vaginalis (Lembra dessa bactérias? Confere la no resumo de Vaginose bacteriana). 

Algumas condições dermatológicas podem resultar em balanite que incluem psoríase, eczema, líquen plano, líquen escleroso, balanite de plasmócitos (Zoon) e dermatite de contato. Outras condições associadas à balanite incluem artrite reativa e erupção medicamentosa fixa.

Manifestações clínicas de balanopostite

O quadro clínico geralmente é composto por dor, edema da glande, alteração de sensibilidade ou prurido, associado a lesões eritematosas na glande e prepúcio. Também pode estar presente um exsudado. Essa doença pode se apresentar de maneira diferente de acordo com a etiologia. 

Balanopostite. Créditos: Wikipedia

Como as causas mais comuns são as infecciosas, vale a pena você entender as especificidades do quadro clínico relacionados a elas. 

Infecção por Candida: Apresenta-se com hiperemia e edema da pele do prepúcio e glande ou com lesões puntiformes erosivas e ligeiramente descamativas, de coloração brancacenta, ambas com prurido intenso. Pode haver exsudato semelhante a coalhada branca às vezes está presente. 

Balanopostite por Cândida. Créditos: DIONÍSIO, Marcos; GENTILE, Leonardo. DAMIÃO, Ronaldo. Dermatopatias genitais masculinas.

Infecção por bactérias: A inflamação sub-prepucial por anaeróbios geralmente é fétida e alta, em casos graves associados a edema linfonodos inguinais inflamados. Streptococcus do grupo A e Staphylococcus aureus apresentam-se com alterações inflamatórias variáveis, principalmente com edema e eritema uniforme.

#Ponto importante: As provas sempre gostaram de cobrar a relação  de doenças sistêmicas com lesões cutâneas. Se a balanite for uma manifestação de artrite reativa, pode estar associada a inflamação das articulações, feridas na boca e/ou sintomas generalizados. As lesões genitais que afetam a glande, na forma de vesículas indolores, podem se romper, formando crostas, o que se conhece como balanite circinada. 

Lesão circinada na artrite reativa. Créditos: DIONÍSIO, Marcos; GENTILE, Leonardo. DAMIÃO, Ronaldo. Dermatopatias genitais masculinas.

Diagnóstico de balanopostite

O exame físico deve incluir a inspeção da glande, do prepúcio e do meato uretral e deve-se suspeitar de homens que se queixam de dor e/ou vermelhidão peniana. Inspeção cuidadosa para possível fimose e parafimose, que demonstra aprisionamento do prepúcio atrás da glande do pênis. 

#Ponto importante: A parafimose requer consulta urológica urgente, pois na maioria das vezes é um quadro cirúrgico. Nestas circunstâncias, há limitação do fluxo venoso e linfático enquanto o fluxo arterial permanece contínuo. Ao longo de minutos a horas, a glande aumentará de tamanho e se tornará extremamente dolorosa. 

A história clínica e exame físico serão cruciais para definir possível etiologia. Por exemplo, pacientes com diabetes mellitus ou infecção por HIV e que no exame apresentam exsudato branco, semelhante a coalhada, levantam a suspeita de infecção por Candida, a etiologia mais comum de balanite. 

#Ponto importante: Pacientes com balanite sem nenhuma comorbidade aparente, devem ser investigados para diabetes mellitus. 

A história deve avaliar o risco de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), bem como quaisquer doenças dermatológicas subjacentes, por exemplo, eczema, psoríase ou sistêmicas por exemplo, artrite reativa. 

Em alguns casos, o diagnóstico não é clínico, sendo necessária a histopatologia para fechar uma entidade etiológica, como as balanites de Zoon e Xerótica.

Tratamento de balanopostite

O tratamento geral envolve higiene adequada da região genital, associado a tratamento específico a depender da etiologia. 

Candida: Clotrimazol creme 1% ou  Creme de miconazol 2% são as escolhas mais recomendadas. Aplicar duas vezes ao dia até que os sintomas se acalmem.

Anaeróbios: Metronidazol 400-500 mg duas vezes ao dia 1 semana. O esquema de dosagem ideal para o tratamento é desconhecido. 

Aeróbios: Para suspeita de infecção estreptocócica ou estafilocócica, pode se utilizar tratamento tópico. Para casos mais graves a dicloxacilina oral (500 mg quatro vezes ao dia por sete dias) ou cefalexina (500 mg quatro vezes ao dia por sete dias) pode ser necessária. 

Eczema: Evitar fatores precipitantes, especialmente sabões. Utilizar emolientes, aplicados conforme necessário e usados ​​como sabão substituto. Durante as crises utilizar com creme de hidrocortisona 1% aplicado duas vezes ao dia. 

Psoríase: A psoríase é tratada com um creme esteroide tópico de potência moderada  emolientes. 

Dermatite de contato: – O tratamento inclui limpeza local e evitar os agentes precipitantes. No lugar dos sabonetes, o creme aquoso é incentivado para suavizar e suavizar a superfície da pele. 

Balanite de Zoon: Os regimes de tratamento incluem creme esteroide tópico ou laser de dióxido de carbono. As lesões podem resolver com a circuncisão. 

Líquen plano: Esteróides tópicos moderados a ultrapotentes, dependendo da gravidade. 

Líquen escleroso: O tratamento recomendado é corticosteróide tópico de alta potência diário, como propionato de clobetasol 0,05% creme ou pomada. 

Curso Extensivo Residência Médica

Posts Relacionados:

Referências bibliográficas:

BARRISFORD, Glen W. Balanitis in adults. Uptodate, 2020

Edwards SK, Bunker CB, Ziller F, van der Meijden WI. 2013 European guideline for the management of balanoposthitis. Int J STD AIDS 2014; 25:615. 

Brasil. MS. SVS. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília, 2015. 

Imagens: 

  • DIONÍSIO, Marcos; GENTILE, Leonardo. DAMIÃO, Ronaldo. Dermatopatias genitais masculinas. Rev. eletrônica da comissão de ensino e treinamento da SBU. Vol. 4 (1): 21-31 | 2016.
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Balanopostite
  • Créditos da imagem em destaque: Pixabay

Você pode gostar também