Resumo sobre Ritmo Sinusal: definição, características e mais!

Resumo sobre Ritmo Sinusal: definição, características e mais!

E aí, doc! Vamos falar sobre mais um assunto? Agora vamos comentar sobre o Ritmo sinusal, um dos tipos existentes de eletrocardiograma.

O Estratégia MED está pronto para te apresentar mais um conceito, que será valioso para a sua formação médica.

Definição de Ritmo Sinusal

O ritmo sinusal é um padrão característico de atividade elétrica cardíaca que representa a condição normal do coração em funcionamento. Este padrão é denominado “sinusal” devido à sua origem no nódulo sinusal (SA), também conhecido como “marcapasso natural do coração”. O ritmo sinusal é considerado o ritmo cardíaco padrão e saudável, refletindo a sequência normal de despolarização e repolarização elétrica que permite ao coração bombear sangue eficientemente pelo corpo.

Em termos fisiológicos, o ritmo sinusal é caracterizado por uma frequência cardíaca regular que varia tipicamente entre 60 e 100 batimentos por minuto em adultos e adolescentes, embora possa variar dependendo de fatores como idade, nível de atividade física e estado de saúde geral. 

Este ritmo é gerado pelo SA, que inicia o impulso elétrico que se propaga através dos átrios, atravessa o nó atrioventricular (AV) e então se espalha pelos ventrículos através do sistema de condução cardíaca, incluindo os feixes atrioventriculares e as fibras de Purkinje.

A manutenção do ritmo sinusal é crucial para a função cardíaca adequada, garantindo uma eficiente contração e relaxamento dos músculos cardíacos. Uma série de mecanismos regulatórios intrínsecos e extrínsecos, incluindo influências nervosas e hormonais, ajudam a controlar a atividade do nódulo SA e, portanto, a frequência cardíaca.

Quando o ritmo sinusal é perturbado, seja por anormalidades intrínsecas do sistema elétrico cardíaco ou por fatores externos, podem ocorrer arritmias cardíacas. Estas podem se manifestar como frequências cardíacas anormalmente rápidas (taquicardia sinusal) ou lentas (bradicardia sinusal), ou como ritmos irregulares, comprometendo assim a capacidade do coração de bombear sangue de forma eficaz.

Características do Ritmo sinusal

Primeiramente, um ritmo sinusal é identificado pela regularidade dos intervalos R-R e P-P, indicando uma consistência na sequência de contrações cardíacas. Esta regularidade contribui para uma frequência cardíaca normal, que geralmente varia entre 60 a 100 batimentos por minuto em adultos e adolescentes saudáveis.

As ondas P, que representam a despolarização dos átrios, desempenham um papel crucial na identificação do ritmo sinusal. Observadas tipicamente como positivas na derivação DII, as ondas P precedem cada complexo QRS de forma consistente. Além disso, as ondas P exibem morfologia semelhante, fornecendo mais uma indicação da normalidade do ritmo cardíaco.

O intervalo PR, que mede o tempo de condução elétrica do nódulo atrioventricular (AV), é uma outra característica fundamental do ritmo sinusal. Este intervalo, que geralmente varia de 0,12 a 0,20 segundo, é constante de batimento a batimento, refletindo a integridade e eficiência do sistema de condução cardíaca.

Por fim, a duração do complexo QRS, que representa a despolarização dos ventrículos, é normalmente curta, com duração de 0,11 segundo ou menos, a menos que haja uma condução anormal. Esta curta duração indica uma rápida e eficaz ativação dos ventrículos, contribuindo para uma contração cardíaca coordenada e eficiente.

Resumindo:

CaracterísticasDescrição
RitmoIntervalos R-R e P-P são regulares
Frequência60 a 100 batimentos por minuto
Ondas PPositivas na derivação DII; uma onda P precede cada complexo QRS; ondas P são de morfologia semelhante
Intervalo PR0,12 a 0,20 segundo e constante de batimento a batimento
Duração do QRS0,11 segundo ou menos, a menos que conduzido de forma anormal
Fonte: Manual do ECG. Aehlert, B – 6ª Edição – 2019

Outros padrões do eletrocardiograma 

Existem outros ritmos do eletrocardiograma que carregam o nome “sinusal”, mas não são um ritmo sinusal. 

Bradicardia sinusal

A bradicardia sinusal é uma condição caracterizada por uma frequência cardíaca mais lenta do que o normal devido a uma atividade elétrica cardíaca diminuída no nódulo sinusal (SA). Neste ritmo, o SA continua a ser o iniciador do impulso elétrico que se propaga através da via de condução normal do coração, desencadeando a despolarização atrial e subsequente ventricular.

Em adultos, a bradicardia sinusal é diagnosticada quando a frequência cardíaca está abaixo de 60 batimentos por minuto. Este ritmo mais lento pode ser causado por uma variedade de fatores, incluindo condições cardíacas subjacentes, alterações hormonais, efeitos colaterais de medicamentos, doenças sistêmicas ou simplesmente ser uma característica fisiológica normal em alguns indivíduos, como atletas bem treinados.

É importante observar que nem toda bradicardia sinusal requer tratamento imediato, especialmente se o indivíduo não apresentar sintomas significativos. No entanto, em casos de bradicardia sinusal grave, definida como uma frequência cardíaca inferior a 40 batimentos por minuto, ou se houver sintomas como tontura, fraqueza, confusão ou desmaio, intervenções médicas podem ser necessárias.

Eletrocardiograma mostrando Bradicardia sinusal
Fonte: Manual do ECG. Aehlert, B – 6ª Edição – 2019

Taquicardia sinusal

Quando o nódulo sinusal (SA) do coração dispara impulsos elétricos a uma taxa acima do normal para a idade do paciente, isso é chamado de taquicardia sinusal. 

Em adultos, a taquicardia sinusal geralmente ocorre quando a frequência cardíaca está entre 101 e 180 batimentos por minuto. No entanto, em alguns casos, ela pode ultrapassar esses limites. Alguns especialistas estabelecem um limite superior para a taquicardia sinusal em cerca de 220 batimentos por minuto, subtraindo a idade do paciente em anos.

Essa condição pode ser desencadeada por vários fatores, como estresse, ansiedade, exercício intenso, febre ou consumo de substâncias estimulantes, como cafeína. Embora muitas vezes seja temporária e não represente uma preocupação séria, em casos mais graves pode ser necessário tratamento para controlar a frequência cardíaca.

Eletrocardiograma mostrando taquicardia sinusal
Fonte: Manual do ECG. Aehlert, B – 6ª Edição – 2019

Arritmia sinusal

A arritmia sinusal ocorre quando o nódulo sinoatrial (SA) do coração dispara impulsos de forma irregular. Essa irregularidade pode ser associada ou não ao ciclo respiratório.

Quando a arritmia sinusal está relacionada às fases da respiração e às mudanças na pressão intratorácica, é denominada arritmia sinusal respiratória. Durante a inspiração, a frequência cardíaca aumenta gradualmente, encurtando os intervalos R-R, e durante a expiração diminui, resultando em intervalos R-R mais longos.

Por outro lado, a arritmia sinusal que não está relacionada ao ciclo respiratório é chamada de arritmia sinusal não respiratória.

As características comuns desses ritmos irregulares incluem:

  • Frequência geralmente entre 60 a 100 batimentos por minuto;
  • Ondas P positivas na derivação DII, com uma onda P precedendo cada complexo QRS e de morfologia semelhante;
  • Intervalo PR constante de 0,12 a 0,20 segundos; e
  • Duração do complexo QRS normalmente de 0,11 segundos ou menos, a menos que haja uma condução anormal.
Eletrocardiograma mostrando uma arritmia sinusal
Fonte: Manual do ECG. Aehlert, B – 6ª Edição – 2019

Veja também!

Referências

Aehlert, B. Manual de ECG – 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2019.

Você pode gostar também