ResuMED doenças das partes moles: manifestações, tratamento e muito mais!
Dor no ombro

ResuMED doenças das partes moles: manifestações, tratamento e muito mais!

Fala, futuro Residente! Vamos começar o tema sobre doenças das partes moles? Nós do Estratégia MED preparamos um resumo exclusivo para você arrasar nas provas de Residência Médica. 

Hoje, queremos assumir o compromisso com você. Vamos tornar o tema doenças das partes moles mais fácil e compreensível. Então, coruja, vem com a gente que te daremos os pontos essenciais para acertar qualquer questão!

Além disso, dentro da ortopedia o tema de doença de partes moles é disparado um dos mais cobrados, pois exige muita atenção e raciocínio. Portanto, sugerimos que você domine todo o assunto.

Portanto, futuro residente, vamos agora estudar tudo sobre o assunto.

Bursites

Bursas são estruturas de tecido mole semelhante a bolsas que servem para reduzir o atrito entre estruturas como tendões e segmentos ósseos. A mais famosa delas é a bursa subacromial

Ou seja, bursite consiste na inflamação dessa estrutura ocasionada por esforços repetitivos da articulação. A manifestação clínica mais comum é dor, edema e restrição de movimentos por dor. O tratamento é basicamente sintomático com analgésicos, anti-inflamatórios, gelo e repouso. 

Uma  complicação que pode ocorrer é a infecção, que pode ser suspeita em caso de febre e alterações dos exames séricos compatíveis com infecção. O principal método para diagnóstico diferencial é a punção. Nesse caso é necessária antibioticoterapia e drenagem da bursa infectada. Outras bursas também famosas são: a bursa subglútea, trocantérica, isquioglútea e iliopectínea. 

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

Cistos sinoviais

Os cistos sinoviais são formados por um defeito na cápsula articular ou da bainha tendínea, podendo se encher ou esvaziar ao longo do tempo de acordo com esforço físico. Se manifestam clinicamente como uma tumoração cística, elástica, não aderida a planos profundos, móvel e indolor. Caso ocorra compressão do tendão pelo cisto o paciente pode apresentar dor intensa. O diagnóstico é basicamente clínico, podendo realizar uma ultrassonografia em caso de dúvida. Cabe ressaltar que a punção aspirativa pode ser realizada apesar de apresentar grandes chances de recidiva. Nestes casos refratários abordaremos cirurgicamente através da ressecção de toda a cápsula. 

Cisto de Baker

É um clássico cisto da ortopedia em região posteromedial do joelho, entre o músculo gastrocnêmio medial e o semimembranoso. Consiste em uma tumoração indolor e benigna. Normalmente, não se indica sua ressecção, porém possui o risco de romper-se, podendo assim gerar sangramento. 

Fasciíte plantar

Consiste na inflamação da fáscia plantar devido à sobrecarga mecânica. Essa sobrecarga leva a microlesões e osteofitose reativa, que por fim leva a formação do esporão calcâneo. 

Os principais fatores de risco são: obesidade, encurtamento do tríceps sural, excesso de carga durante as atividades. É uma patologia mais frequente em pacientes da meia-idade, podendo muitas vezes ser bilateral. O quadro clínico é composto por dor na face medial do calcanhar principalmente ao se levantar pela manhã e iniciar movimentos. O diagnóstico é clínico com dor à palpação da fáscia plantar. Já o tratamento consiste em alongamento e uso de sapato de solado rígido com salto de uma polegada no calcanhar. 

Testando seu Conhecimento

Gostou do nosso conteúdo estrategista? Então não deixe de testar seus conhecimentos agora!

1- (UESPI, PI, 2019) Paciente 65 anos, feminina, obesa, com quadro de dor crônica em quadril D e região lateral da coxa D. Apresentava dificuldade de marcha, subir escadas e dor, ao deitar-se sobre o lado acometido. Ao realizar exame físico, foi evidenciado dor à palpação de região lateral de quadril D, teste de Patrick, Lasègue e Trendelenburg negativos. Das alternativas abaixo, qual o diagnóstico mais adequado para essa paciente? 

A) Lombociatalgia

B) Bursite Trocantérica

C) Lombalgia mecânica comum

D) Lombalgia inflamatória

E) Tendinopatia de glúteo médio

Alternativa correta: correta alternativa B.

Essa é uma questão interessante, pois exige inúmeros conhecimentos semiológicos ortopédicos. Vamos pensar: Suspeita inicial: em uma paciente idosa, obesa e com dor crônica em quadril, deve-se sempre considerar artrose do quadril. Ela refere dificuldade de marcha e para subir escadas e dor ao deitar-se sobre o lado acometido. Todos esses fatores corroboram para alguma patologia do quadril, muito mais do que patologia da coluna. Portanto, podemos excluir os itens A, C e D. Agora, a diferença: como é a apresentação da tendinopatia do glúteo médio? E a da bursite trocantérica? Vamos relembrar mais uns dados, também: Teste de Lasègue – usado para diagnóstico de compressão radicular do ciático. Teste de Patrick – usado para investigar coxartrose ou sacroileíte (o teste é normal na paciente e não há nenhuma dessas opções entre as alternativas). Teste de Trendelenburg – usado para avaliar a capacidade de estabilização do quadril pelo glúteo médio e off-set (basicamente, poder de alavanca do quadril). Estaria alterado principalmente em doenças como Perthes ou Displasia do Desenvolvimento do Quadril. Incorreta a alternativa “A”: A lombociatalgia apresentaria Lasègue positivo, dor lombar com irradiação por um dermátomo e sintomas neuropáticos.

2- (UFC, CE, 2010) Um homem com 60 anos de idade vai ao posto de saúde queixando-se de dores no ombro. Após o exame clínico, o médico suspeita que possa tratar-se de uma bursite no ombro. Qual das opções é a que se associa de forma mais frequente à bursite no ombro? 

A) Bolsa subdeltoídea 

B) Cápsula da articulação glenoumeral 

C) Bolsa do músculo gastrocnêmio 

D) Cápsula da articulação acromioclavicular 

E) Bolsa subacromial

Alternativa correta: alternativa E

Questão única de bursite do ombro. Dentre as bursas do ombro, para você não esquecer, o acometimento é por ordem alfabética, sendo mais frequente, assim, a subacromial e depois a subdeltoidea. Lembre também que, no ombro, a culpa é sempre do acrômio: ele causa impacto e lesa o supraespinhal. Incorreta a alternativa “A”: É a segunda mais acometida no ombro. 

Incorreta a alternativa “B”: Não existe bursa da cápsula glenoumeral; contudo, a cápsula pode gerar a capsulite adesiva, patologia associada à imobilização prolongada do ombro. 

Incorreta a alternativa “C”: O gastrocnêmio localiza-se na perna. 

Incorreta a alternativa “D”: Não existe bursa da cápsula acromioclavicular. 

Correta a alternativa “E” A bursa subacromial é a que mais se associa a bursites do ombro.

3- (FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS, RJ, 2017) Homem obeso, com 45 anos de idade, chega à clínica várias semanas após dar início a um programa de corrida. Ele descreve dor no lado direito do calcanhar, que está pior desta vez. A dor é mais forte pela manhã e quando o paciente está descalço. No exame, há dor na palpação da parte inferomedial do calcanhar direito. O que é necessário para obter o diagnóstico definitivo de fasciite plantar? 

A) História compatível e teste provocativo 

B) Apenas história e exame físico

C) História, exame físico e cintilografia óssea

D) História, exame físico e ultrassonografia do calcanhar mostrando espessamento da fáscia

E) História, exame físico e radiografia mostrando esporão calcâneo

Alternativa correta: alternativa B

Incorreta a alternativa “A”: Não existe um teste provocativo específico para isso. Alternativa “C” incorreta: Cintilografia não agregaria nenhum achado relevante. Incorreta a alternativa “D”: A ultrassonografia, embora realmente mostre o espessamento da fáscia, não é necessária, pois o diagnóstico é clínico. Incorreta a alternativa “E”: Como o esporão do calcâneo só está presente entre metade e três quartos dos pacientes, ele é ainda menos relevante para o diagnóstico.

Chegamos ao fim, futuro Residente. Gostou do conteúdo sobre doenças das partes moles e quer se aprofundar mais no assunto? O Portal Estratégia MED tem muito mais informações esperando por você. Certamente, com o nosso Banco de Questões MED e o Curso Extensivo MED você terá o diferencial necessário para atingir sua aprovação na desejada vaga de Residência Médica ou Revalida. Vamos vencer juntos mais esse grande desafio. Vem ser Coruja! 

Curso Extensivo Residência Médica

Veja também:

Você pode gostar também
Leia mais

ResuMED de anemias

No campo da clínica médica, o estudo dos componentes do sangue e sistema imune é dedicado à hematologia.…